Variação das temperaturas mínimas e sua influência sobre a mortalidade por acidente vascular cerebral em Ituiutaba, MG: uma análise dos meses de julho e agosto de 2013

Autores

  • Emmeline Aparecida Silva Severino Universidade Federal de Uberlândia
  • Ana Cristina Araújo Foli Universidade Federal de Uberlândia
  • Rildo Aparecido Costa Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2444

Palavras-chave:

Temperaturas mínimas. Variabilidade. Doenças circulatórias. Correlação

Resumo

A presente pesquisa objetivou analisar a influência da variação das temperaturas mínimas sobre a mortalidade por acidente vascular cerebral (AVC) da população atendida na rede municipal de saúde de Ituiutaba (MG) nos meses de julho e agosto de 2013. Para isto, utilizou-se o cálculo do Coeficiente de Correlação Linear de Pearson para verificar a correlação existente entre estas duas variáveis, bem como a análise dos elementos climáticos de cada episódio, dos meses selecionados. Os óbitos por AVC foram associados à variação das temperaturas mínimas extremas, principalmente após uma brusca variação. Estas análises demonstraram que os indivíduos apresentam vulnerabilidade frente à variabilidade climática, sendo os idosos os mais acometidos. Deste modo, faz-se necessária a elaboração de trabalhos conjuntos (entre Prefeitura, Universidade, ONGs) para a prevenção e promoção da saúde, no intuito de se compreender a respeito da variabilidade climática e demais fatores que podem influenciar o estado de saúde da população.

Biografia do Autor

Emmeline Aparecida Silva Severino, Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Geografia do Pontal, Universidade Federal de Uberlândia.

Ana Cristina Araújo Foli, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda do Curso de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia.

Rildo Aparecido Costa, Universidade Federal de Uberlândia

Docente do Programa de Pós-graduação em Geografia do Pontal e do Curso de Graduação em Geografia, Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. Tradução de Maria Juraci Zani dos Santos; revisão de Suely Bastos; coord. ed. de Antonio Christofoletti. 11ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 332 p.

BARROS, J. R. Tipos de tempo e incidência de doenças respiratórias: um estudo geográfico aplicado ao Distrito Federal. 2006. 121f. Tese (Doutorado em Geografia). Rio Claro, SP. Disponível em:< http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/100078/barros_jr_dr_rcla.pdf?sequence=1>. Acesso em: 07 out. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. População deve ficar atenta aos riscos do AVC. 2012.Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/saude/2012/10/no-dia-mundial-do-avc-pais-alerta-populacao-contra-a-doenca>.Acesso em: 27 dez. 2016.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/>. Acesso em: 14 out. 2015.

CARRITANO, C. R. LUZ, P. M.; PIRES, M. L. E.; BARBOSA, M. T. S.; BATISTA, K. M. Análise da tendência da mortalidade por acidente vascular cerebral no Brasil no século XXI. Arq. Bras. Cardiol., [S. l.], v. 98, n. 6, Jun 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abc/v98n6/aop03812.pdf> .Acesso em: 28 dez. 2016.

CENTRO DE PESQUISAS METEOROLÓGICAS E CLIMÁTICAS APLICADAS A AGRICULTURA. Escala Psicrométrica Unicamp para indicação de níveis de umidade relativa do ar prejudiciais à saúde humana. Escala anemométrica internacional de Beaufort. CEPAGRI/UNICAMP. 2008. Disponível em:< http://orion.cpa.unicamp.br/artigos-especiais/umidade-do-ar-saude-no-inverno.html>. Acesso em: 27 jan. 2016.

COSTA, R. A. Análise biogeográfica do Parque Municipal do Goiabal em Ituiutaba – MG. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.1, p.68-83, jan./jul.2011. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/cpg/article/viewFile/2042/1932>. Acesso em: 27 jul. 2016.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de Pearson. Revista Política Hoje, Vol. 18, n. 1, 2009. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/politicahoje/index.php/politica/article/viewFile/6/6. Acesso em: 17 Out. 2016.

IBGE. Cidades. População Urbana de Ituiutaba. 2010. Disponível em:<http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?uf=31>. Acesso em: 29 out. 2015.

IBGE. Minas Gerais. Ituiutaba. 2015. Disponível em:< http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=313420>. Acesso em: 29 out. 2015.

LACAZ, C. da S. Conceituação, atualidade e interesse do tema, súmula histórica. In: LACAZ, C. S.; BASRUZZI, R. G.; SIQUEIRA, W. Introdução à geografia médica do Brasil. São Paulo: E. Blücher; Edusp, 1972.

LIRA, S. A. Análise de Correlação: Abordagem Teórica e de Construção dos Coeficientes com Aplicações. 2004. Dissertação (Mestrado em Métodos Numéricos em Engenharia dos Setores de Ciências Exatas e de Tecnologia). Universidade Federal do Paraná. Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/biblioteca/docs/dissertacao_sachiko.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2016.

MENDES, P. C.; QUEIROZ, A. T. de. Caracterização climática do município de Ituiutaba-MG. p.333-353. In: Geografia do Brasil Central: enfoques Teóricos e Particularidades Regionais. Anderson Pereira Portuguez, Gerusa Gonçalves Moura e Rildo Aparecido Costa. (org). Uberlândia: Assis Editora, 2011.

MURARA, P. G. Variabilidade Climática e Doenças Circulatórias e Respiratórias em Florianópolis(SC): uma contribuição à Climatologia Médica. Dissertação (Mestrado em Geografia). Florianópolis (SC). 2012. 94f. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/99358/307856.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 07 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2006). Manual STEPS de Acidentes Vascular Cerebrais da OMS: enfoque passo a passo da OMS para a vigilância de acidentes vasculares cerebrais. Genebra, Organização Mundial da Saúde. Disponível em: <http://www1.paho.org/hq/dmdocuments/2009/manualpo.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2016.

PAGNOSSIN, E. M.; BURIOL, G. A.; GRACIOLLI, M. A. Influência dos elementos meteorológicos no conforto térmico humano: bases biofísicas. Disciplinarum Scientia. Série: Ciên. Biol. e da Saúde, Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 149-161, 2001. Disponível em: <http://sites.unifra.br/Portals/36/CSAUDE/2001/influencia.pdf>. Acesso em: 4 ago. 2016.

PASCOALINO, A. Variação térmica e a distribuição têmporo-espacial da mortalidade por doenças cardiovasculares na cidade de Limeira/SP. Rio Claro, 2013. 283 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Rio Claro/SP. Disponível em: <http://repositorio.unesp.br/handle/11449/104331>. Acesso em: 02 Ago. 2016.

QUEIROZ, A. T de.; COSTA, R. A. Caracterização e variabilidade climática em séries de temperatura, umidade relativa do ar e precipitação em Ituiutaba – MG. Caminhos de Geografia. Uberlândia v. 13, n. 43 out/2012 p. 346–357. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/viewFile/19555/10537>. Acesso em: 29 out. 2015.

SANT’ANNA NETO, J. L. Da climatologia geográfica à geografia do clima: gênese, paradigmas e aplicações do clima como fenômeno geográfico. Revista ANPEGE, v. 4, p. 188, 2008. Disponível em: <http://www.anpege.org.br/revista/ojs2.2.2/index.php/anpege08/article/view/11/pdf4B>. Acesso em: 9 set. 2016.

SARTORI, M. G. B. Clima e percepção geográfica – Fundamentos Teóricos à Percepção Climática e à Bioclimatologia Humana. Santa Maria, RS: Editora Palloti. 2014.

SETTE, D. M., RIBEIRO, H. Interações entre o clima, o tempo e a saúde humana. Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. 6.v, n. 2, 2011. Disponível em: <http://www.revistas.sp.senac.br/index.php/ITF/article/view/196. > Acesso em: 30 out. 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades