Análise do uso e ocupação do solo no entorno do rio Azuis - Tocantins

Autores

  • Luiz Ricardo Ferreira Alves Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG), Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional
  • Fernando de Morais Departamento de Geografia, Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2483

Palavras-chave:

Rio Azuis. Carste. Uso e ocupação

Resumo

O presente trabalho busca analisar os aspectos relacionados ao uso e ocupação do solo no entorno do rio Azuis, situado no município de Aurora do Tocantins, na região sudeste do estado do Tocantins. A área apresenta grande importância ambiental devido à presença de paisagens cársticas, no entanto as diversas atividades humanas têm aumentado a fragilidade do carste.  Foram realizados trabalhos de campo através do método de caminhamento livre para descrição da paisagem com o intuito de observar as possíveis alterações sofridas, e com a utilização de imagens de satélite Landsat 8 foi produzido um mapa de uso e ocupação do solo por meio da classificação supervisionada. Os resultados obtidos mostram que no entorno do rio Azuis, destacam-se como principais atividades a agricultura, pecuária, desmatamento e queimadas. O turismo também se sobressai, trazendo várias consequências no ambiente como: produção de lixo, pavimentação em áreas impróprias, falta de infraestrutura e fiscalização no local.

Biografia do Autor

Luiz Ricardo Ferreira Alves, Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG), Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG), Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional

Fernando de Morais, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional

Professor Doutor Adjunto do Departamento de Geografia, Universidade Federal do Tocantins – Campus Porto Nacional

Referências

BRASIL – Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral (1982) – Projeto RADAMBRASIL. Folha SD 23 Brasília; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 660 p.

CAVALCANTI, Lucas Costa de Souza. Cartografia de paisagens: fundamentos. São Paulo: Oficina de Textos, 2014.

CAMPOS, J. E. G; DARDENE, M. A. (1997) – Estratigrafia e sedimentação da Bacia Sanfranciscana: Uma revisão. Revista Brasileira de Geociências, 27, p. 269-282.

FERREIRA, C. F. Análise de impactos ambientais em terrenos cársticos e cavernas. In: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Curso de Espeleologia e licenciamento ambiental. Brasília, 2011.

FLORIANI, Nicolas. Avaliação da fragilidade geossistêmica de uma microbacia sobre geologia cárstica: Potencial e limitações. 2003. 147 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Agronomia, Departamento de Área de Concentração Ciências do Solo do Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

FORD, Derek; WILLIAMS, Paul. Karst Hydrogeology and Geomorphology. [Rev. ed.] United Kingdom: Wiley, 2007.

GILLIESON, D. Caves: processes, development, management. Oxford: Clackwell Publishers, 1996.

GOMES, Mauro. Proposta metodológica para identificação de áreas vulneráveis para a conservação do patrimônio espeleológico brasileiro. 2010. 62 f. Monografia

IGLESIAS, Mario; UHLEIN, Alexandre. Estratigrafia do Grupo Bambuí e coberturas fanerozóicas no vale do rio São Francisco, norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências, v. 39, n. 2, p. 256-266, 2009.

HARDT, Rubens. Sistema cárstico e impactos antrópicos: considerações sobre manejo. In: Simpósio de Pós-Graduação em Geografia do Estado de São Paulo SIMPGEO-SP., 2008, São Paulo. VIII Seminário de Pós-Graduação em Geografia da Unesp – Rio Claro, 2008, p. 1295 – 1309.

INVTUR – Inventário Turístico. Inventário da Oferta Turística de Aurora – Tocantins, 24 p., 2008.

KARMANN, Ivo; SÁNCHEZ, Luís Enrique. Distribuição das rochas carbonáticas e províncias espeleológicas do Brasil. Espeleo-Tema, v. 13, p. 105-167, 1979.

MORAIS, Fernando de. Caracterização Geomorfológica da Região de Aurora do Tocantins, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 14, n. 2, p.163-170 (Abr. - Jun.) 2013.

MORAIS, Fernando de. Aspectos gerais da área cárstica de Aurora do Tocantins. Para conhecer a Terra – memórias e notícias de geociências no espaço lusófono. Imprensa da Universidade de Coimbra. Coimbra, p. 1-12, 2012. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10316.2/31489>. Acesso em: 08 jun. 2016.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. São Paulo: Edgard Blucher, 2010. 388p.

SILVA, Fabiane Fernandes da. Gestão de áreas cársticas em Aurora do Tocantins e Dianópolis – TO: uma análise a partir de perturbações ambientais. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2012.

PILÓ, Luís Beethoven; AULER, Augusto. Introdução à espeleologia. In: ICMBio/CECAV. (Org.). III curso de espeleologia e licenciamento ambiental. Brasília/DF: Adaequatio estúdio de criação, 2011. Cap. 1. p. 7-23.

PILÓ, Luís Beethoven; AULER, Augusto. Ambientes cársticos de Minas Gerais: Valor, fragilidade e impactos ambientais decorrentes da atividade humana. O Carste. Belo Horizonte, vol.11, n.3, p.50-58 (Jul.) 1999.

SILVA, Fabiane Fernandes da; MORAIS, Fernando de. Análise multitemporal da cobertura vegetal no entorno de dez cavernas em Aurora do Tocantins – TO. In: Congresso Brasileiro de Espeleologia, 31, 2011, Ponta Grossa-PR. Anais... Ponta Grossa-PR, 2011, p. 19 – 24.

SEPLAN (SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E MEIO AMBIENTE) (2008) – Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico – DZE. 4 ed. Palmas, 49 p.

TRAVASSOS, Luiz Eduardo Panisset; Varela, Isabela Dalle. Aspectos legais do uso da água em regiões cársticas. Ciência & Tecnologia, v. 8, p. 386-400, 2008.

VALERIANO, Márcio de Morisson. Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, v. 12, p. 3595-3602, 2005.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental