Compartimentação e evolução do relevo da chapada Uberaba-Uberlândia-MG

Autores

  • Débora Teixeira Lemos de Carvalho Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Guilherme Taitson Bueno Universidade Federal de Goiás
  • Graziele Nogueira de Jesus Universidade Católica de Minas Gerais
  • Vânia Silva Rosolen Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2487

Palavras-chave:

Chapada. Paisagem. Evolução morfogenética. Dissecação

Resumo

A chapada Uberaba-Uberlândia constitui um dos remanescentes da Superfície Sulamericana no Triângulo Mineiro, em evolução há 66 Ma, quando cessa a deposição da Fm. Marília. O objetivo deste trabalho foi elaborar um mapa de compartimentos de paisagem natural desta chapada e apresentar as etapas de sua evolução. Foram utilizadas imagens de satélite/bases cartográficas e realizados trabalhos de campo. Os compartimentos são caracterizados pelo topo da chapada, com Latossolos, vales abertos e hidromórficos (Gleissolos e Organossolos); e por suas bordas dissecadas, com relevo acidentado, drenagem encaixada, vales(Neossolos e Cambissolos)e rampas com Latossolos. Sob clima semi-árido, começa o aplanamento (Sulamericano).O soerguimento miocênico favorece o encaixamento da drenagem. Os sistemas hidromórficos cedem lugar a vales encaixados, com gradual dissecação, gerada pelas capturas fluviais de afluentes do Rio Paranaíba pelos afluentes do Rio Grande, devido ao forte gradiente altimétrico e assimetria espacial destas duas bacias.

Biografia do Autor

Débora Teixeira Lemos de Carvalho, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Departamento de Geografia/ Pós-Graduação em Geografia - Tratamento da Informação Espacial, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas.

Guilherme Taitson Bueno, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais / Universidade Federal de Goiás, UFG.

Graziele Nogueira de Jesus, Universidade Católica de Minas Gerais

Departamento de Geografia/ Pós-Graduação em Geografia - Tratamento da Informação Espacial, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas.

Vânia Silva Rosolen, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Departamento de Petrologia e Metalogenia/Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro/UNESP-Rio Claro.

Referências

BACCARO, Claudete Aparecida Dallevedove. Unidades Geomorfológicas do Triângulo Mineiro: estudo preliminar. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, n.3 (5 e 6), p. 37-42, dez. 1991.

BIGARELLA, João José. et al. Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais. v. 3.Florianópolis: Editora da UFSC, 2003.

BRAUN, Oscar P. G. Contribuição à geomorfologia do Brasil Central. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, p. 3-39, jul./set. 1971. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/115/rbg_1970_v32_n3.pdf> Acesso em: 20 jan. 2017.

CETEC, Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais. Diagnóstico ambiental do estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Série de Publicações Técnicas-10, 1983. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.mg.gov.br/consulta/verDocumento.php?iCodigo=72020&codUsuario=0>. Acesso em: 06 set. 2016.

CHEREM, Luis Felipe Soares et al. O papel das capturas fluviais na morfodinâmica das bordas interplanálticas do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v.14, n.4, p. 299-308, out/dez. 2013. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php?journal=rbg&page=article&op=view&path%5B%5D=325&path%5B%5D=348>. Acesso em: 15 jun. 2016.

CPRM, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - Serviço Geológico do Brasil. Geodiversidade do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Programa Geologia do Brasil - Levantamentos da Geodiversidade, 2010. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/media/Geodiversidade_MG.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2016.

DIAS-BRITO, D. et al. Grupo Bauru: uma unidade continental do Cretáceo no Brasil -concepções baseadas em dados micropaleontológicos, isótopos e estratigráficos. RevuePaléobiologique, [S.l], v. 20, n. 1, p. 245-304, 2001.

FELTRAN FILHO, Antonio. A estruturação das paisagens nas chapadas do oeste mineiro. 1997. 261 f. Tese (Doutorado) - Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

GT CHAPADA, Grupo de Trabalho. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari: Proposta para Criação de APA na Chapada do Bugre/ Triângulo Mineiro.[S.l.: s.n], 2011. Disponível em: <http://www.cbharaguari.org.br/arquivos/camaragrupos/RELATORIO-CONCLUIDO-GT-CHAPADA-FORMATADO-EM-16-DE-JUNHO-2011.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2016.

GUERRA, Antônio Teixeira.; GUERRA, Antônio José Teixeira.Novo dicionário geológico‐geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

KING, Lester C. A Geomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano. XVIII, n. 2, p. 147-265, abr-jun de 1956. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/115/rbg_1956_v18_n2.pdf>. Acesso em: 14 jun. 2016.

ROSOLEN Vania; HERPIN, Uwe. Expansão dos solos hidromórficos e mudanças na paisagem: um estudo de caso na região Sudeste da Amazônia Brasileira. Acta Amazônica, [S.l], vol. 38, n. 3, p. 483-490, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59672008000300013>. Acesso em: 25 jan. 2017.

SILVA, NathalieRibeiro.Caracterização do regime climático regional: uma análise dos parâmetros de temperatura, precipitação e balanço hídrico do Triângulo Mineiro - MG. 2010. 59 f. Monografia (Graduação) - Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.

SOUSA JÚNIOR, João José de et al. Geologia: Geologia da Bacia Sedimentar do Paraná. Rio de Janeiro: Projeto Radam Brasil - Levantamento de Recursos Naturais (Folha SE. 22 Goiânia), v. 31, 1983.

TARDY, Y.; KOBILSEK, B; PAQUET, H. Mineralogical composition and geographical distribution of African and Brazilian periatlanticlaterites.The influence of continental and tropical paleoclimates during the past 150 million years and implications for India and Australia.Journal of African Earth Sciences, [S.l], v. 12, n. 1/2, p. 283-295, 1991.

TRESCASES, J. J. Formações superficiais desenvolvidas a partir de rochas ultrabásicas: Interesse geomofológico, geológico e mineiro (o exemplo da Nova Caledônia). Colóquio Estudo e Cartografia de Formações Superficiais e suas aplicações em regiões tropicais, São Paulo, vol. 1, p.121-136,1978.

VALADÃO, Roberto Célio. Geodinâmica de superfícies de aplanamento, desnudação continental e tectônica ativa como condicionantes da megageomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v.10, n.2, p.77-90, 2009. Disponível em: <http://www.ugb.org.br/final/arquivos/Art.%2008%20-%20Geodin%C3%A2mica%20de%20Superf%C3%ADcies%20-%20RBG%2010%20N%C2%BA%202.pdf>. Acessoem: 22 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos