Considerações sobre perdas geoquímicas em nascentes e sistemas fluviais de cabeceiras de drenagem na borda oeste do Espinhaço Meridional (Minas Gerais)

Autores

  • Luísa Lima Borges Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Antonio Pereira Magalhães Júnior Universidade Federal de Minas Gerais
  • Miguel Fernandes Felippe Universidade Feral de Juiz de Fora
  • Fernando César da Costa Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2491

Palavras-chave:

Desnudação geoquímica. Nascentes. Serra do Espinhaço. Evolução do relevo

Resumo

Este artigo busca apresentar e discutir os resultados de perdas geoquímicas em nascentes e sistemas fluviais de cabeceiras de drenagem em duas microbacias da Serra do Cipó, denominação regional do Espinhaço Meridional. Foram coletadas amostras de água em campanhas de campo trimestrais entre novembro de 2015 e setembro de 2016. Em laboratório, foram analisados os parâmetros TDS (Sólidos Totais Dissolvidos), sílica, alcalinidade e condutividade elétrica. Os resultados ilustram a realidade geoquímica das águas da Serra do Cipó. Os valores muito baixos dos elementos analisados corroboram a resistência dos materiais aos processos de intemperismo químico. Nuances podem estar relacionadas a características pedológicas, geológicas, vegetacionais e morfológicas muito específicas.

Biografia do Autor

Luísa Lima Borges Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Geografia /Instituto de Geociências, UFMG.

Antonio Pereira Magalhães Júnior, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Geografia /Instituto de Geociências, UFMG.

Miguel Fernandes Felippe, Universidade Feral de Juiz de Fora

Departamento de Geociências / Instituto de Ciências Humanas, UFJF.

Fernando César da Costa, Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório de Geomorfologia / Instituto de Geociências, UFMG.

 

Referências

ALMEIDA-ABREU, P. A. O supergrupo Espinhaço da Serra do Espinhaço meridional (Minas Gerais): o rifte, a bacia e o orógeno. Belo Horizonte: Geonomos, v. 3, n. 1, p. 1-18, 1995.

ALMEIDA-ABREU, P. A.; RENGER, F. E. Serra do Espinhaço meridional: um orógeno de colisão do mesoproterozóico. RevistaBrasileira de Geociências, v. 32, n.1, p. 1-14, 2002.

APHA - AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION; AWWA – AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION; WEF – WATER ENVIRONMENT FEDERATION. Standard Methods for Examination of Water and Wastewater. Washington: APHA, 22 har., Cdr Edition, 2012.

CHEMALE JR, F.; DUSSIN, I. A.; MARTINS, M.; SANTOS, M. N. Nova abordagem tectono-estratigráfi ca do Supergrupo Espinhaço em sua porção meridional (MG). Belo Horizonte:Geonomos, v. 19, CPMTC-UFMG, p. 173-179, 2011.

FEITOSA, A. C.; MANOEL-FILHO, J. (eds.). Hidrogeologia: conceitos e aplicações. Fortaleza: CPRM, 1997. 412 p.

FELIPPE, M. F. Gênese e dinâmica de nascentes: contribuições a partir da dinâmica hidrogeomorfológica em região tropical. 2013. Tese (Doutorado)... Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2013. 185 p.

FELIPPE, M. MAGALHÃES Jr, A P. A contribuição das nascentes na desnudação geoquímica: Borda oeste da Serra do Espinhaço Meridional (Minas Gerais, Brasil). Brasília: Revista Brasileira de Geomorfologia, v17, n.1, p. 79-92, 2016.

HINDI, E.; ROSA-FILHO, E.; BITTENCOURT, A.; XAVIER, J., Características hidrogeológicas do aqüífero costeiro da Ilha dos Valadares, PR (Brasil) e sua utilização para abastecimento público. Revista Latino-Americana de Hidrogeologia, n.3, p. 19-31, 2003.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Rio de Janeiro: Mapa de climas do Brasil. Escala 1:5.000.000. IBGE, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Rio de Janeiro: Mapa de unidades de relevo do Brasil. Escala 1:5.000.000. IBGE, 2006.

IEF – INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS. Belo Horizonte: Mapa das coberturas vegetais do estado de Minas Gerais. Escala 1:1.000.000. IEF, 2009.

LEÃO, M. R.; REZENDE, E. A.; SALGADO, A. A.; NAILINI JR, H. A. Erosão, denudação e evolução do relevo da média Serra do Espinhaço meridional, Minas Gerais. Brasília: RevistaBrasileira de Geomorfologia, v.13, n.2, p.113-124, 2012.

MAGALHÃES JR., A. P.; FELIPPE, M. F. The Importance Of River Springs In Sustainable Water Management: The City Of Belo Horizonte, Brazil. In: BILIBIO, C.; HENSEL, O.; SELBACH, J.F. (Org.). Sustainable water management in the tropics and subtropics - and case studies in Brazil. Jaguarão/RS: Unipampa; UNIKASSEL; PGCult-UFMA, 2012, v.3, p. 299-346.

SAADI, A. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens.Belo Horizonte:Geonomos, v. 3, n. 1, p. 41-63, 1995.

SALGADO, A. A.; VALADÃO, R. C. Contribuição da Desnudação Geoquímica na Evolução da Erosão Diferencial no Espinhaço Meridional – MG. Brasília: Revista Brasileira deGeomorfologia. Brasília: v. 4, Nº 2, p. 31-40, 2003.

SALGADO, A. A. R.; VARAJÃO, C. A. C.; COLIN, F.; BRAUCHER, R.; NALINIJUNIOR, H. A.; VARAJÃO, A. F. D. O papel da denudação geoquímica no processo de erosão diferencial no Quadrilátero Ferrífero/MG. Brasília: Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 5,n. 1, p. 55-69, 2004.

SARDINHA, D. S.; BONOTTO, D. N.; GODOY, L. H.; CONCEIÇÃO, F. T.; MORENO, M.M. T., Denudação química e implicações na composição das águas superficiais da bacia do rio Jaú (SP). Brasília: RevistaBrasileira de Geomorfologia, v.13, n.3, p.337-349, 2012..

ULHEIN, A.; TROMPETTE, R.; EGYDIO-SILVA, M. Rifteamentos superpostos e tectônica de inversão na borda sudeste do cráton do São Francisco. Belo Horizonte:Geonomos, v. 3, n. 1, p.99-107, 1995.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos