Avaliação das características físicas do relevo e sua relação com as enchentes: o caso do bairro Jardim Nova Rio Claro, Rio Claro (SP)

Autores

  • Marcelo Eduardo Franzin Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
  • Cenira Maria Lupinacci Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2494

Palavras-chave:

Urbanização. Enchentes. Morfometria. Materiais inconsolidados

Resumo

As inundações em áreas urbanas estão associadas à falta de compreensão e planejamento em relação às características do meio físico. Apesar de se reconhecer que este fenômeno está vinculado a dinâmica natural dos rios, a construção desordenada e a especulação imobiliária podem acarretar sérios problemas à população que ocupa esses espaços. Considerando essas questões, o objetivo desse artigo é avaliar as características físicas e sua relação com as enchentes. Para isso, delimitou-se para este trabalho o bairro Jardim Nova Rio Claro situado em Rio Claro (SP) como unidade de análise, e adotaram-se os parâmetros de morfometria do relevo (declividade, dissecação horizontal, dissecação vertical e energia do relevo) e os materiais inconsolidados como dados para compreender a questão das enchentes. A análise dos dados de morfometria e de materiais inconsolidados permitiu identificar que uso urbano acelera um processo que o terreno potencialmente poderia sofrer em função das condições do meio físico.

Biografia do Autor

Marcelo Eduardo Franzin, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia, Instituto de Geociências e Ciências Exatas,   Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus Rio Claro.

Cenira Maria Lupinacci, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus Rio Claro.

Referências

BLAINEY, G. Uma breve história do mundo. São Paulo: Editora Fundamento Educacional, 2008.

BRASIL. Lei Federal nº 6.766, de 19/12/1979. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 20 dez. 1979. Disponível em: < http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6766.htm>. Acesso: 06 jun. 2016.

CUNHA, C. M. L.; MORUZZI, R. B.; BRAGA, R. Diagnóstico dos elementos de drenagem da área urbana de Rio Claro – SP: Subsídios para o Plano Diretor. Revista de Estudos Ambientais (Online). V. 11, n. 2, p. 88-100, 2009. Disponível em: <http://proxy.furb.br/ojs/index.php/rea/article/viewFile/1551/1201.> Acesso em 17/05/2016.

DE BIASI, M. Cartas de declividade: confecção e utilização. Geomorfologia. São Paulo, n. 21, p. 8 – 12, 1970.

DE BIASI, M. A carta clinográfica: os métodos de representação e sua confecção. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, n.. 6, p. 45 – 60, 1992.

FERREIRA, M. V. ; TINOS, T. M. ; PINTON, L. de G. ; CUNHA, C. M. L. . A dissecação horizontal como parâmetro morfométrico para avaliação do relevo: Proposta de técnica digital automática. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 15, p. 585-600, 2014.

FERREIRA, M. V. ; TINOS, T. M. ; PINTON, L. de G. ; CUNHA, C. M. L. . A cartografia da dissecação vertical para avaliação do relevo: Proposta de técnica automática. Revista Brasileira de Cartografia, v. 67, n. 6, p. 1231-1245, 2015.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Disponível em: <http://censo2010.ibge.gov.br/>. Acesso: 10 fev. 2017.

LUZ, M. J. H. M. Aspectos do desenvolvimento urbano de Rio Claro: da lei federal do parcelamento do solo 6.799/79 até os nossos dias. Arquivo Rio Claro, Rio Claro. N. 3. Jun. 2009. (Edição comemorativa de 30 anos)

MAFFRA, C. Q.T., MAZZOLA, M. As razões dos desastres em território brasileiro. In.: SANTOS, R. F. dos (Org.). Vulnerabilidade ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. p. 9 - 12 .

MONTEIRO, C. A. de F. A dinâmica climática e as chuvas no estado de São Paulo – estudo geográfico sob forma de atlas. São Paulo: Universidade de São Paulo/ Instituto de Geografia, 1973. 129 p.

PENTEADO, M. M. Geomorfologia do setor centro-ocidental da Depressão Periférica Paulista. Instituto de geografia – USP. São Paulo: Series teses e monografias n. 22, 86 p., 1976.

PENTEADO - ORELLANA, M. M. Estudo geomorfológico do sitio urbano de Rio Claro-SP. Noticia geomorfologia, Campinas, ano 21, n. 42, p. 23-56, 1981.

RIO CLARO. Lei Municipal nº 3806/2007. Plano diretor do município de Rio Claro. Rio Claro, SP, 27 dez. 2007. Rio Claro.

SANCHEZ, M. C. A propósito das cartas de declividade. SIMPÓSIO DE GEOGRAFIA APLICADA, 1993. Anais... São Paulo, FFLCH. n 5, p. 311-314, 1993.

SÃO PAULO. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/ses/noticias/2013/fevereiro/saude-alerta-para-os-riscos-de-doencas-durante-periodo-de-chuvas-e-enchentes>. Acesso em: 02 fev. 2017.

SPIRIDONOV, A.I. Princípios de la Metodologia de las Investigaciones de Campo y el Mapeo Geomorfológico. Havana: Universidad de la Havana, Faculdad de Geografia, 1981.

TUCCI, C. E. M. Águas urbanas. Estudos avançados, São Paulo, ano 22, n.63, p. 97 – 112, 2008.

ZAINE, J. E. Geologia da Formação Rio Claro na folha Rio Claro (SP). Dissertação (Mestrado Geociências e Geologia Regional). IGCE. UNESP. Rio Claro, 1994.

ZAINE, J. E. Mapeamento geológico-geotécnico por meio do método do detalhamento progressivo: ensaio de aplicação na área urbana do município de Rio Claro (SP). Tese (Doutorado Geociências e Meio Ambiente). IGCE. UNESP. Rio Claro, 2000.

ZANATTA, F. A. S.; FERREIRA, M. V. Roteiro dos procedimentos para elaboração da carta de energia do relevo. Rio Claro, 2015.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos