Análise do perfil longitudinal do alto/médio Rio Grande - MG: gênese de rupturas de declive e distribuição de registros sedimentares

Autores

  • Éric Andrade Rezende Universidade Federal de Ouro Preto
  • Paulo de Tarso Amorim Castro Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2497

Palavras-chave:

Nível de base. Incisão fluvial. Terraços fluviais. Morfotectônica. Litoestrutura

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo identificar as principais zonas de ruptura no perfil longitudinal do alto/médio Rio Grande, sul de Minas Gerais. Pretende-se analisar os possíveis condicionantes da gênese dessas feições, seus reflexos na distribuição de antigos registros sedimentares aluviais e na diferenciação entre as formas de relevo. Foram identificadas quatro zonas de ruptura que possuem origens distintas e marcante influência sobre as características geomorfológicas das áreas drenadas a montante e a jusante. A origem das quatro rupturas está relacionada aos seguintes fatores: (1) controle litológico; (2) superimposição sobre quartzitos; (3) controle litológico e tectônico, (4) retração erosiva. Variações na intensidade do entalhamento são condicionadas principalmente pela proximidade de soleiras geomórficas quartzíticas. A quarta zona de ruptura é a que mais claramente separa domínios geomorfológicos com diferentes níveis de rejuvenescimento. A montante ocorre o Graben de Ijaci, que concentra a maioria dos depósitos fluviais encontrados ao longo do vale.

Biografia do Autor

Éric Andrade Rezende, Universidade Federal de Ouro Preto

Departamento de Geologia/Universidade Federal de Ouro Preto.

Paulo de Tarso Amorim Castro, Universidade Federal de Ouro Preto

Departamento de Geologia/Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

ALKMIM, F. F.; MARTINS-NETO, M. A. Proterozoic first-order sedimentary sequences of the São Francisco craton, eastern Brazil. Marine and Petroleum Geology, v. 33, n. 1, p. 127–139, 2012.

BULL, W. B. Tectonic geomorphology of mountains: a new approach to paleoseismology. John Wiley & Sons, 2008. 316 p.

BURBANK, D. W.; ANDERSON, R. S. Tectonic geomorphology. John Wiley & Sons, 2011. 454 p.

CAMPOS NETO, M. C. et al. Migração de Orógenos e Superposição de Orogêneses: Um Esboço da Colagem Brasiliana no Sul do Cráton do São Francisco, SE - Brasil. Geologia USP - Serie Cientifica, v. 4, n. 1, p. 13–40, 2004.

CHARLTON, R. Fundamentals of fluvial geomorphology. Abingdon: Routledge, 2007. 234 p.

DEHLER N. M.; MACHADO R. Análise geométrica e cinemática das rochas metassedimentares da região de Ijaci, sul de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências, v. 28, n. 4, p. 413-418, 1998.

HEILBRON, M. et al. Província Mantiqueira. In: MANTESSO-NETO, V.; BARTORELLI, A.; CARNEIRO, C. D. R.; BRITO-NEVES, B. B.; (org) Geologia do Continente Sul-Americano: Evolução da Obra de Fernando Flávio Marques de Almeida, São Paulo: Beca, 2004. p. 203-234.

LARUE, J. P. Tectonic influences on the Quaternary drainage evolution on the north-western margin of the French Central Massif: The Creuse valley example. Geomorphology, v. 93, n. 3-4, p. 398–420, 2008.

MORALES, N. et al. Projeto Mapa Neotectônico do Brasil: caracterização da deformação neotectônica do território brasileiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 47., 2014, Salvador, Anais, CD-ROM.

OLIVETTI, V. et al. Cenozoic rejuvenation events of Massif Central topography (France): Insights from cosmogenic denudation rates and river profiles. Earth and Planetary Science Letters, v. 444, p. 179–191, 2016.

PINHEIRO, M. R.; QUEIROZ NETO, J. P. Reflexões sobre a gênese da serra geral e da depressão periférica paulista: o exemplo da região da Serra de São Pedro e do baixo Piracicaba, SP. Revista do Instituto Geológico, v. 35, n. 1, p. 47-59, 2014.

PINTO C. P.; SILVA M. A. Mapa Geológico do Estado de Minas Gerais. Codemig/CPRM, 2014.

QUÉMÉNEUR J. J. G. et al. Geologia da Folha Lavras. In: PEDROSA SOARES, A. C.; NOCE, C. M.; TROUW, R. A. J.; HEILBRON, M. (Org.). Geologia e Recursos Minerais do Sudeste Mineiro, Projeto Sul de Minas- Etapa I. Belo Horizonte: COMIG - Companhia Mineradora de Minas Gerais, p. 259-319, 2003.

REZENDE E.A. et al. Fatores controladores da evolução do relevo no flanco NNW do Rifte Continental do Sudeste do Brasil: Uma análise baseada na mensuração dos processos denudacionais de longo-termo. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 14, n. 2, p. 221-234, 2013.

REZENDE, E. A.; CASTRO, P. T. A. Variação espacial e condicionantes do entalhamento fluvial na bacia do Rio Grande, sul de Minas Gerasi. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 17, n. 4, 2016.

RICCOMINI, C. SANT’ANNA, L. G.; FERRARI, A. L. Evolução geológica do Rift Continental do Sudeste do Brasil. In: MANTESSO-NETO, V.; BARTORELLI, A. CARNEIRO, C. D. R.; BRITO-NEVES, B. B. (Ed.). Geologia do continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca, 2004. p. 383-405.

SAADI, A. Ensaio Sobre a Morfotectônica de Minas Gerais - tensões intra-placa, descontinuidades crustais e morfogênese. 1991. 285 f. Tese (Prof. Titular) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1991.

SAADI, A.; SILVA, L. M.; MAGALHÃES, JR. A. P. Contribuição à discussão das superfícies de aplainamento no sudeste brasileiro, com base na análise quantitativa da paleotopografia do sul de Minas Gerais. Geosul, v. 14, n. 27, p. 569-571, 1998. (Edição especial, Simpósio Nacional de Geomorfologia, 2).

SALGADO A.A.R. et al. Relief evolution of the Continental Rift of Southeast Brazil revealed by in situ-produced 10Be concentrations in river-borne sediments. Journal of South American Earth Sciences, v. 67, p. 89–99, 2016.

SCHUMM, S. A. River variability and complexity. Cambridge University Press, 2007.

TROUW, R. A. J. et al. A new interpretation for the interference zone between the southern Brasília belt and the central Ribeira belt, SE Brazil. Journal of South American Earth Sciences, v. 48, p. 43–57, 2013.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos