Mapeamento e caracterização das unidades de relevo do município de Rosário do Sul - RS

Autores

  • Daniélli Flores Dias Universidade Federal de Santa Maria
  • Romário Trentin Universidade Federal de Santa Maria
  • Rodrigo Dias Marques Universidade Federal de Santa Maria
  • Eloisa Penna da Rosa Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2503

Palavras-chave:

Geomorfologia. Planejamento. Relevo. Rosário do Sul

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo realizar um mapeamento e uma breve caracterização das formas de relevo, utilizando como recorte espacial o limite do município de Rosário do Sul. A definição das unidades de relevo realizou-se com o intuito de individualizar as áreas com determinadas caracteristicas homogêneas, considerando a análise combinada dos atributos referentes a hipsometria, declividade e o comprimento das vertentes analisados através dos perfis topográficos. Com base nisso, utilizou-se como referência a proposta de classificação do relevo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT, 1981) e diante disso foram definidas seis unidades de relevo para o município de Rosário do Sul: Áreas Planas, Colinas Levemente Onduladas, Colinas Onduladas, Colinas de Altitude, Associação de Morros e Morrotes, Morros e Morrotes Isolados.

Biografia do Autor

Daniélli Flores Dias, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria.

Romário Trentin, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria.

Rodrigo Dias Marques, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria.

Eloisa Penna da Rosa, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

CABRAL, T. L. Zoneamento e Mapeamento Geoambiental do município de Sorriso-MT. 2014. 131p. Dissertação (Mestrado em Geografia)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

CASSETI, V. Elementos de Geomorfologia. Goiânia: Editora da UFG, 1994. 137p.

CUNHA, C. M. L.; MENDES, I. A.; SANCHEZ, M. C. A Cartografia do Relevo: Uma Análise Comparativa de Técnicas para a Gestão Ambiental. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2003. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php?journal=rbg&page=article&op=view&path%5B%5D=15&path%5B%5D=13/>. Acesso em: 12 mar. 2016.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS® 10.1 License Manager and Installation. Disponível em: <http://desktop.arcgis.com/en/desktop/latest/get-started/license-manager-guide/license-manager-installation-and-startup.htm/>. Acesso em: 10 mar. 2016.

HASENACK, H.; WEBER, E. Base Cartográfica Vetorial Contínua do Rio Grande do Sul. Série Geoprocessamento, Porto Alegre: Centro de Ecologia da UFRGS, 2010. 1 DVD.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Malha Municipal do ano de 2010. Disponível em: <http://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/malhas-digitais>. Acesso em: 18 out. 2015.

.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Mapeamento Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo. Escala 1:500.000, v. 2, 1981. 130p.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. São Paulo: Editora Contexto, 1990. 88p.

SCCOTI, A. A. V. Zoneamento Geoambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí da Armada-RS: Potencialidades e Suscetibilidade. 2015. 151p. Dissertação (Mestrado em Geografia)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. Shuttle Radar Topography Mission. Disponível em: <http://srtm.usgs.gov/>. Acesso em: 09 jan. 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos