Influência da rede de drenagem na configuração da paisagem de Faxinal da Boa Vista – PR (FOLHA SG.22-V-B-VI-3)

Autores

  • Georgea do Vale Melo Universidade Estadual de Maringá
  • Felipe Gomes Rubira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2504

Palavras-chave:

Feições dômicas. Drenagem radial. Escarpas planálticas. Drenagem paralela. Drenagem subdentrítica

Resumo

Esta pesquisa objetivou analisar a rede de drenagem e formação do relevo na área abrangida pela Folha Topográfica SG.22-V-B-VI-3 de Faxinal da Boa Vista (PR), localizada na Bacia Sedimentar do Paraná, na transição do Segundo para o Terceiro Planalto Paranaense. No Terceiro Planalto Paranaense foram identificados padrões subdendríticos e paralelos, associados a relevos suaves ondulados a planos. No Segundo Planalto Paranaense foram identificados padrões radiais, associados a doze feições dômicas. Pôde-se argumentar que as formas de relevo alteraram e modificaram os cursos dos rios, que se adaptaram e moldaram estruturas morfológicas. Portanto, compreender a estrutura e ocorrência de diferentes padrões de drenagens, assim como os agentes modeladores e modificadores do relevo, torna-se imprescindível em pesquisas geomorfológicas.

Biografia do Autor

Georgea do Vale Melo, Universidade Estadual de Maringá

Departamento de Geografia/Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, UEM.

Felipe Gomes Rubira, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Geografia/Instituto de Geociências, UNICAMP.

Referências

AB’ SABER. A. N. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul por ocasião dos períodos glaciais quaternários. Paleoclimas, IGEOG-USP, São Paulo. n.3, p.1-20, 1977.

BIGARELLA, J. J.; MOUSINHO, M. R.; Silva, J. X. Pediplanos, pedimentos e seus depósitos correlativos no Brasil. Boletim Paranaense de Geografia, Curitiba. n.16/17, p.117-151, 1965.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária, disponível em: www.embrapa.gov.br. Acesso em: 02 de Fevereiro de 2017.

HOWARD, A. D. Drainage analysis in geologic interpretation: summation. Bulletin American Association of Petroleum Geologist, v. 51, p. 2246-2259, 1967.

ITCG, Instituto de Terras Cartografia e Geociências, Cartas Topográfica 1:50.000, disponível em: http://www.itcg.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=51. Acesso: 02 de Fevereiro de 2017.

MARTONNE, E. de. Problemas morfológicos do Brasil Tropical Atlântico. Rev. Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, v. 5, nº 4. p. 532-550. 1943.

PHILLIPS, L. F.; SCHUMM, S. A. Effect of regional slope on drainage networks. Geology, v. 15, p. 813-816, 1987.

SCHUMM, S. A.; DUMONT, J. F.; HOLBROOK, J. M. Active tectonics and alluvial Rivers. Cambridge University Press, Cambridge, 2000.

THOMAS, D.S.G.; ALLISON, R.J. Landscape Sensitivity. Chichester: John Wiley and Sons, 347 p. 1993.

VOLKOV, N. G.; SOKOLOVSKY, I. L.; SUBBOTIN, A. I. Effect of recent crustal movements on the shape of longitudin al profiles and water levels in rivers. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON RIVER MECHANICS, 1967. Bern. Proceedings. International Union of Geodesy and Geophysics, p. 105-116. 1967.

WESCOTT, W. A. Geomorphic thresholds and complex response of fluvial system - Some implications for sequence stratigraphy. AAPG Bulletin, v. 77, n. 7, p. 1208-1218, 1993.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos