Identificação de movimentos de massa no município de Agudo/RS

Autores

  • Angéli Behling Universidade Federal de Santa Maria
  • Guilherme Cardoso da Silva Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2507

Palavras-chave:

Movimento de massa. SIG. Agudo. Quarta Colônia

Resumo

Os movimentos de massa podem ser classificados em quedas, escorregamentos, fluxos e rastejos, sendo um tipo de processo natural que pode vir a interferir na vida da população, seja ela rural ou urbana. O obejtivo do trabalho é localizar e identificar os movimentos de massa no munícipio de Agudo/RS, espacializando-os a partir da utilização de SIG. Para tanto, fez-se uma saída de campo em que foram identificados e pontuados todos os movimentos de massa encontrados, com a utilização de um recptor de GPS Garmin, modelo Legend H. Utilizou-se o software GPS TrackMaker para o download dos pontos, que foram representados em uma carta-imagem no software QGIS. Pode-se perceber a ocorrência de movimentos de massa, como: quedas, escorregamentos de diferentes tipos e rastejos. Concluiu-se que os movimentos de massa na área rural de Agudo merecem atenção, e apesar de não apresentarem grandes ameaças, se mostram capazes de causar transtornos à população.

Biografia do Autor

Angéli Behling, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências/Faculdade de Geografia, Universidade Federal de Santa Maria.

Guilherme Cardoso da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências /Faculdade de Geografia, Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

AUGUSTO FILHO, O.;VIGILI, J. C. Estabilidade de Taludes. In: OLIVEIRA, A. M. dos S.; BRITO, S. N. A. de (org).Geologia de Engenharia. São Paulo: ABGE-CNPq-FAPESP, 1998.

BARROS, E.J. Carta de risco de movimentos gravitacionais de massa, Zona Norte dos Morros de Santos, SP, com a utilização de Sistemas de Informações Geográficas. 2001. 149f. (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

BIGARELLA, J.J. Estrutura e Origem das Paisagens Topicais e Subtropicais. Vol 3. Florianópolis. Ed; da UFSC, 2003.

BONHAM-CARTER, G. F. Geographic information systems for geoscientists: modeling with GIS. Ottawa: Pergamon, 1996.

BRESSANI, L. A.; BERTUOL, F. Alguns Escorregamentos do RS e SC e a Avaliação de Suscetibilidade e Risco de Encosta. In. (org): LACERDA, W. A.; PALMEIRA, E, M.; NETO, A, L. C.; EHRLICH, M.: Desastres Naturais: Suceptibilidade e Risco, Mitigação e Prevenção, Gestão e Ação Emergenciais. Rio de janeiro: COPPE/UFRJ, 2012.

CAMARGO, F.F.; ALMEIDA, C.M.; FLORENZANO, T.G.; CREPANI, E.; MEDEIROS, J.S. Avaliação dos Métodos Booleano, Fuzzy Gama e Bayesiano na Identificação de Áreas Suscetíveis a Movimentos de Massa no Município de São Sebastião/SP. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 12, 2007, Natal. Anais... Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007, v. 12.

CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. São Paulo: Contexto, 1991. 136 p.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo. Edgard Blucher Ltda, 2ª. Ed. 188p., 1980.

COPPOCK, J. T. GIS and natural hazards: an overview from a GIS perspective. In: CARRARA, A.; GUZZETTI, F. Geographical information systems in assessing natural hazards. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1995.

GUERRA, A. J. T.; MARÇAL, M. S. Geomorfologia Ambiental, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

GUIDICINI, G.; IWASA, O. Y. Ensaio de correlação entre pluviosidade e escorregamentos em meio tropical úmido. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT, 1976. 48 p. (Relatório n. 1080).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo. 2010. Disponível em< http://www.censo2010.ibge.gov.br/. >acessado em: 15 de Dezembro de 2016.

IPT – INSTITUTO DE PESQUISA TECNOÓGICAS. Manual de ocupação de encosta. São Paulo. 1991.

LISBOA FILHO, Jugurta; IOCHPE, Cirano. Introdução a sistemas de informações geográficas com ênfase em banco de dados. In: JAI - Jornada de Atualização em Informática, 15., 1996, Buenos Aires, Congresso da SBC. 16., Recife-PE, 1996. Anais... Buenos Aires, JAI, 1996, Recife, SBC, 1996.

MACIEL FILHO, C.; NUMMER, A. Introdução à Geologia de Engenharia. 5ª ed. Santa Maria: Ed da UFSM, 2014.

MARCELINO, Emerson Vieira. Desastres Naturais: conceitos básicos. Santa Maria: INPE, 2007.

MÜLLER FILHO, I.L. Notas para o estudo da geomorfologia do Rio Grande do Sul, Brasil. Publicação Especial, Departamento de Geociências da UFSM, n. 1, 94 p., 1970.

NCGIA - National Center for Geographic Information and Analysis. NCGIA Core Curriculum. Edited by Michael F. Goodchild and Karen K. Kemp, Santa Barbara: University of California, 1990.

RECKZIEGEL, B. W. Levantamento dos Desastres Desencadeados por eventos naturais adversos no estado do Rio Grande do Sul de 1980 a 2005. Dissertação de Mestrado. UFSM. 2007.

SANTOS, Rozely F. dos. Vulnerabilidade Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. 192 p.

SHIRMER, G. J. Mapeamento Geoambiental Municipal de Agudo –RS. Trabalho de Graduação, Santa Maria, 2010.

SMALL, John.; CLARK, Michael. Encostas e intempéries. Cambridge University Press, Cambridge, Inglaterra, 1982.

SOUZA, Leonardo Andrade de. Cartografia Geoambiental e Cartografia Geotécnica progressiva em diferentes escalas: aplicação na bacia hidrográfica do Ribeirão do Carmo, municípios de Ouro Preto e Mariana, Minas Gerais. 2015. Tese (Doutorado em Geotecnia)- Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, 2015.

TEIXEIRA A. Et. Al. Qual a melhor definição de SIG. Revista FATOR GIS, n.11, 1995.

TERZAGHI, K. Mechanism of Ladslides. PILCHER, E. (Tradutor). São Paulo: Departamento de Livros e Produções do Grêmio Politécnico, 1967. 41 p.

TOMINAGA, L. K. SANTORO, J.; AMARAL, R. do. Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009. 50 p.

VANCÔR, R. N; ROLIM, S. B. A.: Mapeamento da Suscetibilidade a Deslizamento Usando Tecnicas de Estatistica Bivariada e Sistema de Informação Geográfica na Região Nordeste do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Geomorfologia, V, 13, n. 1., 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos