Caracterização geomorfológica em confluência: estudo de caso dos rios Paraná\Piquiri

Autores

  • Altair Bennert Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Isabel Terezinha Leli Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Oscar Vicente Quinonez Fernandez Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Ericson Hideki Hayakawa Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2521

Palavras-chave:

Confluências. Morfologia de leito. Estrutura de fluxo

Resumo

As confluências de canais fluviais são locais importantes na rede de drenagem por apresentarem uma complexa estrutura de fluxo, transporte de sedimentos e morfologia de leito. Os estudos em ambientes de confluência permitem a compreensão das formas e processos que operam nestes locais, principalmente na forma do leito. Este estudo é sobre o ambiente de confluência de um rio de grande porte, o rio Paraná e outro de porte médio, o rio Piquiri. Os materiais e procedimentos incluíram a utilização de uma ecossonda acoplada ao computador portátil para levantamento batimétrico em campo. Os dados foram utilizados para a obtenção de um mapa batimétrico da área de pesquisa. Os resultados permitiram analisar a configuração morfológica e a estrutura de fluxo da área do estudo. Através do levantamento de dados foi possível aferir a presença de uma área de escavação na parte jusante da confluência, uma camada de cisalhamento, e a zona de separação de fluxo no ambiente de confluência. Contudo, o estudo está em fase inicial e ainda é necessário incorporar novas informações para a indicação das demais morfologias e a dinâmica de fluxo que influenciam diretamente na configuração da área do estudo. 

Biografia do Autor

Altair Bennert, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – Campus de Marechal C. Rondon.

Isabel Terezinha Leli, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – Campus de Marechal C. Rondon.

Oscar Vicente Quinonez Fernandez, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – Campus de Marechal C. Rondon.

Ericson Hideki Hayakawa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – Campus de Marechal C. Rondon.

Referências

ATKINSON, B.K. Mechanics of Rock. London:Academic Geology Series, Academic Press, 1987.

BEST, J.L. The morphology of river channel confluences. Progress in Physical Geography, v.10, n.2, p.157-174, 1986.

BEST, J.L. Flow dynamics at river channel confluences: implications for sediment transport and bed morphology. In: ETHERIDGE, F.G; FLORES, R.M; HARVE, M.D (Org.). Recent Developments in Fluvial Sedimentology. Society of Economic Paleontologists and Mineralogists. Special Publications, SEPM: Tulsa, 1987, p 27-35.

BEST, J.L.Sediment transport and bed morphology at river channel confluences. Sedimentology, n35, p.481-498, 1988.

BEST, J.L.; RHOADS, B. L. Sediment transport, bed morphology and the sedimentology of river channel confluences. In: RICE, S.P.; ROY, A.G.; RHOADS, B. L. (Org). River confluence, tributaries and the fluvial network. London: Jhon Wiley & Sons Ltd, 2008.p.45-72.

BIRON, P.; BEST, J.L.; ROY, A. G. Effects of bed discordance on flow dynamics at open channel comfluences. Journal of Hydraulic Engineering, n. 122, p. 676-682, 1996.

BITTENCOURT, A.V.L. Sobre a quantificação do intemperismo na Bacia do Rio Piquiri-PR. Boletim Paranaense de Geocieências, Curitiba, n.41, p.35-51, 1993.

FRANCO, A. L. A. Análise da dinâmica e estrutura de fluxo e da morfologia da confluência dos rios Ivaí e Paraná: PR/MS. 2007. 98f. Dissertação (Mestrado em Análise Geoambiental) – Universidade de Guarulhos, Guarulhos-SP.

GRZEGORCZYK, V. Geomorfologia das confluências do alto curso do rio Paraná, um estudos dos rios: Ivaí-PR, Piquiri-PR e Ivinhema-MS. 2016. 146 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá-PR.

LATRUBESSE, E. M. 2008. Patterns of anabranching channels: The ultimate end-member adjustment of mega rivers. Geomorphology, 101 130–145.

MARTINS, D. P.; STEVAUX, J. C. Formas de leito e transporte de carga de fundo do alto rio Paraná. Revista Brasileira de Geomorfologia-Ano 6, nº 2, 2005, p.43-50.

MOSLEY, M. P. An esperimental study of channel confluence. Journal of Geology. N.84, p. 535-562, 1976.

PARSONS, D.R.; BEST, J.L.; LANE, S.N.; KOSTASCHUK, R.A.; HARDY, R.J.; ORFEO, O.; AMSLER, M.L.; SZUPIANY, R.N. Large river channel confluence. . In: RICE, S.P.; ROY, A.G.; RHOADS, B. L. (Org). River confluence, tributaries and the fluvial network. London: Jhon Wiley & Sons, 2008.p.74-118.

RHOADS, B.L.; RILEY, J.D.; MAYER, D.R. Response of bed morphology and bed material texture to hydrological conditions at an asymmetrical stream confluence. Geomorphology, n.109, p.161-173, 2009.

RICE, S.P.; ROY, A.G.; ROHOADS, B, J. (Org.). River confluence, tributaries and the fluvial network. Jhon Wiley & Sons Ltd, 2008.

ROY, A.G. Introduction to Part I: River channel confluence. In: RICE, S.P.; ROY, A.G.; RHOADS, B. L. (Org). River confluence, tributaries and the fluvial network. London: Jhon Wiley & Sons, 2008.p.13-16.

ROY, A.G.; ROY, R.; BERGERON, N. Hydraulic geometry and changes in flow velocity at a river confluence with coarse bed material. Earth Surface Processes and LandForms, Malden, v.3, n.7, p. 583-598, 1998.

SANTOS, V. C. Ambiente de confluência no contexto da rede de drenagem: exemplo da bacia hidrográfica do Ivaí – Estado do Paraná. 2015. 460 f. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente) – Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho” – Instituto de Geociências e Ciências Extas, Rio Claro.

SANTOS, D.N.; STEVAUX, J.C. Alterações de longa duração na dinâmica hidrossedimentar por extração de areia no alto curso do rio Paraná na região de Porto Rico, PR. UNESP, São Paulo. Geociências, v 29, nº4, 2010, p. 603-612.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos