Estudo pluviométrico dos escorregamentos deflagrados no verão de 2009/2010 no planalto do Paraitinga (SP)

Autores

  • Rodrigo Augusto Stabile Universidade de São Paulo
  • Antonio Carlos Colângelo Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2538

Palavras-chave:

Escorregamentos. Limiares. Precipitação acumulada. Planalto do Paraitinga. Pluviometria

Resumo

Considerando que tanto a chuva antecedente como a intensidade do evento pluviométrico deflagrador são descritos como significativos na geração de escorregamentos nas encostas, e utilizando a abordagem de limiares de chuva ou envoltórias de escorregamentos, este trabalho demonstrou que a densidade de escorregamentos do evento de 2009/2010 no Planalto do Paraitinga está relacionada à algumas características da pluviosidade. Os procedimentos envolveram o mapeamento das cicatrizes de escorregamentos, o cálculo de isoietas de precipitação acumulada em 96 horas, a estimativa da precipitação instantânea com dados de Radar Meteorológico e a avaliação das envoltórias de escorregamentos, assim como sua espacialização na área de estudo no momento analisado. Avaliou-se também que, apesar das limitações metodológicas inerentes a estudos deste tipo, a possibilidade de espacialização dos limiares exibe potencial para ser empregada, por exemplo, no monitoramento de desastres naturais em tempo real.

Biografia do Autor

Rodrigo Augusto Stabile, Universidade de São Paulo

Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo / Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais.

Antonio Carlos Colângelo, Universidade de São Paulo

Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Referências

CAINE, N. (1980) The rainfall intensity-duration control of shallow landslides and debris flows. Geografiska Annaler, Series A, Physical Geography, v. 62, n. 1/2, pp. 23-27.

COELHO NETTO, A.L. et al. (2011) January 2011: the extreme landslide disaster in Brazil. In: Proceedings of the Second World Landslide Forum, 2011, Roma, 6p.

COLÂNGELO, A.C. (1995) Movimentos de massa e evolução geomorfológica das vertentes no alto vale do Paraíba do Sul – São Luís do Paraitinga – SP. Tese de Doutorado, DG-FFLCH-USP, 250p.

COLÂNGELO, A.C. (2005) Sobre os modelos de magnitude-frequência e de estabilidade de vertentes. Revista do Departamento de Geografia, n. 16, pp. 11-23.

CPRM (2006) Mapa Geológico do Estado de São Paulo, escala 1:750.000.

CPTEC (2010a) Infoclima – Boletim de Informações Climáticas do CPTEC/INPE, ano 17, n. 1, 3p.

CPTEC (2010b) Chuvas de dezembro de 2009 e janeiro de 2010 em SP e RJ. Disponível em: http://www7.cptec.inpe.br/~rupload/arquivo/Chuva_fim_de_ano_SP_RJ_2_.pdf. Acesso em 10/01/2017.

CRUZ, O. (1974) A Serra do Mar e o litoral na área de Caraguatatuba-SP: contribuição à geomorfologia litorânea tropical. Série teses e monografias, n. 11, IGEOG-USP.

DOURADO, F.; FERNANDES, N.F. (2013) Os escorregamentos da Enseada do Bananal e do Morro da Carioca em Angra dos Reis na baía de Ilha Grande-RJ. In: Interações Homem-Meio nas zonas costeiras – Brasil/Portugal, UERJ, pp. 139-146.

FERNANDES, N.F.; AMARAL, C.P. (1996) Movimentos de massa: uma abordagem geológico-geomorfológica. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (Orgs.) Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, pp. 123-194.

FERNANDES, N.F. et al (2001) Condicionantes geomorfológicos dos deslizamentos nas encostas: avaliação de metodologias e aplicação de modelo de previsão de áreas susceptíveis. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 2, n. 1, pp. 51-71.

GUZZETTI, F. et al. (2007) Rainfall thresholds for the initiation of landslides in central and southern Europe. Meteorology and Atmospheric Physics, n. 98, pp. 239-267.

GUZZETTI, F. et al. (2008) The rainfall intensity-duration control of shallow landslides and debris flows: an update. Landslides, n. 5, pp. 3-17.

INSTITUTO GEOLÓGICO (2015) Mapeamento de riscos associados a escorregamentos, inundações e corridas de massa – Relatório Técnico / município de Itaoca, SP. Boletim do Instituto Geológico, n. 64, 34p.

ISTO É (2010) Devastados pela fúria da natureza. Revista Isto É, n. 2096, 13/01/2010. Disponível em: http://istoe.com.br/38879_DEVASTADOS+PELA+FURIA+DA+NATUREZA/. Acesso em: 08/01/2017.

SCHUMM, S.A. (1973) Geomorphic thresholds and complex response of drainage systems. In: MORISAWA, M (Ed.) Fluvial Geomorphology. New York: State University of New York, pp. 299-310.

SCHUMM, S.A. (1979) Geomorphic thresholds: the concept and its applications. Transactions of the Institute of British Geographers, v. 4, n. 4, pp. 485-515.

SILVEIRA, C.T. et al. (2014) Mapeamento preliminar da suscetibilidade natural a movimentos de massa da Serra do Mar Paranaense apoiado na análise digital do relevo. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 15, n. 1, pp. 3-22.

STABILE, R.A. et al (2013) Análise de fatores condicionantes de instabilizações em encostas como subsídio para a modelagem estatística da suscetibilidade a deslizamentos. In: 14º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental – CBGE, 2013, Rio de Janeiro (RJ). Anais do 14º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental – CBGE, São Paulo: ABGE, 2013

TATIZANA, C. et al. (1987a) Análise de correlação entre chuvas e escorregamentos – Serra do Mar, município de Cubatão. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 5, 1987, São Paulo. Anais, São Paulo: ABGE, v. 2, pp. 225-236.

TATIZANA, C. et al. (1987b) Modelamento numérico de análise de correlação entre chuvas e escorregamentos aplicado às encostas da Serra do Mar, município de Cubatão. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 5, 1987, São Paulo. Anais, São Paulo: ABGE, v. 2, pp. 237-248.

TOMAZZOLI, E.R. (2012) Caracterização geológico-geomorfológica dos movimentos de massa ocorridos no Vale do Itajaí (Estado de Santa Catarina) – Brasil – em novembro de 2008. Memórias e Notícias (Nova Série) – Publicação do Departamento de Ciências da Terra e do Museu Mineralógico e Geológico da Universidade de Coimbra, v. Especial, pp. 1-20.

VIEIRA, B.C.; FERNANDES, N.F. (2004) Landslides in Rio de Janeiro: the role played by variations in soil hydraulic conductivity. Hydrological Processes, n. 18, pp. 791-805.

WOLLE, C.M.; CARVALHO, C.S. (1989) Deslizamentos em encostas na Serra do Mar – Brasil. Solos e Rochas, v. 12, pp. 27-36.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais