Gestao participativa de riscos de desastres: o sistema de alerta e alarme de base comunitaria do Cardinót, Nova Friburgo, RJ

Autores

  • Elisa Fracioli Ximenes Universidade Federal Fluminense
  • Rita Montezuma Universidade Federal Fluminense
  • Anderson Mululu Sato Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2540

Palavras-chave:

Gestão de riscos. Desastres. Sistema de alerta e alarme. Mapeamento participativo. Nova Friburgo

Resumo

A gestão de riscos dos desastres socioambientais vem ganhando espaço nas agendas de regiões afetadas à medida que aumenta a frequência e danos humanos, ambientais e materiais dos eventos. No Brasil alguns setores vêm mobilizando esforços para criar normas institucionais para gestão do risco de desastres, contudo não têm sido incluídas as comunidades em risco. O modelo de gestão adotado na bacia hidrográfica do Córrego Dantas retrata uma gestão de riscos de desastres tecnocêntrica e militarizada. As sirenes do sistema de alerta e alarme implantadas pela Defesa Civil não mobilizam os moradores a saírem de suas casas. Especialistas atribuem esta não aderência à falta de inclusão da comunidade nas discussões e tomadas de decisão. Esta pesquisa visa contribuir para o fortalecimento da gestão participativa dos riscos de desastres na bacia do Córrego Dantas através do fortalecimento do Sistema de Alerta e Alarme de Base Comunitária existente no bairro do Cardinot.

Biografia do Autor

Elisa Fracioli Ximenes, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda POSGEO/Universidade Federal Fluminense.

Rita Montezuma, Universidade Federal Fluminense

Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa de Paisagens Profa. Adjunta, POSGEO, Depto. de Geografia/Universidade Federal Fluminense.

Anderson Mululu Sato, Universidade Federal Fluminense

Grupo de Pesquisa em Desastres Sócio-Naturais (GDEN), Departamento de Geografia e Políticas Públicas (DGP), Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR), Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ADORNO, R. C. F.; CASTRO, A. O exercício da sensibilidade: pesquisa qualitativa e a saúde como qualidade. Saúde soc., vol.3, n.2, pp. 172-185. 1994.

BANCO MUNDIAL. Avaliação de Perdas e Danos: Inundações e Deslizamentos na Região Serrana do Rio de Janeiro - Janeiro de 2011. Banco Mundial: Brasília, p. 59. 2012.

BECK U. Risk society: towards a new modernity. New Delhi, Sage, 1992.

BERTONE, P.; MARINHO, C. Gestão de riscos e resposta a desastres naturais: a visão do planejamento. Anais do VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, Brasília, p. 27. 2013.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

FRAGA, J. S., NETTO, A. M. C., SATO, A. M. Comparação da condutividade hidráulica na zona de raízes entre dois fragmentos de florestas secundárias de montanha em Nova Friburgo/RJ. Revista Geonorte, v.5(14), p. 48-53, 2015.

FREITAS, L. E.; NETTO, A. M. C. Reger córrego Dantas: uma ação coletiva para enfrentamento de ameaças naturais e redução de desastres socio-ambientais. Ci. & Tróp. Recife, v. 40, n. 1, p. 165-190, 2016.

GILBERT C. Studying disaster: changes in the main conceptual tools. In: Quarantelli E, editor. What is a disaster? Perspectives on the question. London, New York: Routledge, 1998, p.11-18.

KUHN T. S. A estrutura das revoluções cientificas. 7ª ed. São Paulo: Perspectiva; 2003.

LEFF H. Pensar a complexidade ambiental. In: Leef H, Organizador. A complexidade Ambiental. São Paulo: Cortez, 2003, p. 15-64.

NATENZON C. Vulnerabilidad, Incertitumbre y Planificación Participativa de Desastre: el caso de las inundaciones catastróficas em Argentina. In: Porto MSF, Freitas CM, Organizadores. Problemas Ambientais e Vulnerabilidades, abordagens integradoras para o campo da Saúde Pública. Rio de Janeiro: CESTEH/ENSP/FIOCRUZ, 2002, p. 57-78.

NETTO, A. L. C.; SATO, A. M.; FREITAS, L. E. Land Use-Vegetation-Landslide Interactions in the Mountainous Region of Rio de Janeiro State: Scientific Basis for Risk Assessment and Management. Anais Regional Conference of International Geographical Union, Moscow, 2015.

NETTO, A. L. C.; SATO, A. M.; AVELAR, A. S.; VIANNA, L. G. G.; ARAÚJO, I. S.; FERREIRA, D. L. C.; LIMA, P. H. ; SILVA, A. P. A.; SILVA, R. P. January 2011: The Ex-treme Landslide Disaster in Brazil. In: Claudio Margottini; Paolo Canuti; Kyoji Sassa. (Org.). Landslide Science and Practice. 1ed. Berlin: Springer Berlin Heidelberg, 2013, v. 6, p. 377-384.

NETTO A. L. C.; LACERDA N. A Gestão de Áreas de Risco a Deslizamentos e Estratégias de Resposta a Desastres: um estudo sobre a percepção de risco da população local através do sistema de alerta e alarme. In: VI CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ESTUDIOS TERRITORIALES Y AMBIENTALES. 2014. São Paulo. Disponível em: http://6cieta.org/arquivos-anais/eixo4/Nathalia%20Lacerda%20de%20Carvalho,%20Ana%20Luiza%20Coelho%20Netto.pdf

PORTELLA, S. L. D.; OLIVEIRA, S. S.; PLANEL, G. A Experiência Limite (Filme-vídeo). Produção e Direção de Sérgio Luís Dias Portella, Simone Santos Oliveira e Guillermo Planel. Rio de Janeiro, Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7SfH7VBitbE>. Acesso em: 10 jan. 2016.

QUARANTELLI E. L. Epilogue. In: Quarantelli E.L., editor. What is a disaster? Perspectives on the question. London, New York: Routledge, 1998, p. 234-273.

SILVA, R. P.; MACHADO, K. M.; SILVA JUNIOR, G. C.; COELHO NETTO, A. L.; BECKER, L. B. ; SATO, A. M. . Determinação de parâmetros físicos do solo em encosta sob influência de escorregamento translacional raso - Nova Friburgo, RJ. Revista Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, v. 4, p. 51-64, 2016.

VALÊNCIO N. F. L. S. Desastres: tecnicismo e sofrimento social. Ciênc. saúde coletiva, RJ, v.19(9), p. 3632-3644, 2014.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais