Suscetibilidade à erosão hídrica na bacia hidrográfica do Rio Pajeú, Pernambuco

Autores

  • Elvis Bergue Mariz Moreira Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Deivide Benicio Soares Universidade Federal de Pernambuco
  • Eberson Pessoa Ribeiro Instituto Federal de Pernambuco
  • Ranyére Silva Nóbrega Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2558

Palavras-chave:

Erosividade. Erodibilidade. RUSLE. Semiárido. Desertificação

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo estimar a perda de solo anual por erosão hídrica na bacia hidrográfica do Rio Pajeú, a maior bacia hidrográfica do estado de Pernambuco, totalmente inserida na região semiárida, suscetível à desertificação. O cálculo da equação universal de perda de solo revisada foi realizado através do modelo InVEST SDR (versão 3.2.0), o qual estima a perda anual de solo para cada pixel do terreno. Foi estimada uma perda média de solo por erosão hídrica entre 0,2 e 2,5 t/ha/ano para os diferentes municípios da bacia. A perda média estimada para o conjunto das terras da bacia hidrográfica do Rio Pajeú foi de 0,97 t/ha/ano, o que se traduz em uma suscetibilidade de perda anual de 1.644.261 toneladas de solo por erosão hídrica na bacia.

Biografia do Autor

Elvis Bergue Mariz Moreira, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Doutor em Geografia, Prof. da Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB, Centro das Humanidades, Curso de Geografia.

Deivide Benicio Soares, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Geografia, Grupo de Estudos em Climatologia Tropical e Eventos Extremos (Tropoclima)/UFPE.

Eberson Pessoa Ribeiro, Instituto Federal de Pernambuco

Doutor em Geografia, Prof. do Instituto Federal de Pernambuco, Campus Vitória de Santo Antão.

Ranyére Silva Nóbrega, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Meteorologia, Prof. da Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciências Geográficas.

Referências

ABRAHAM, E. M. Indicadores de desertificación para Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, Ecuador y Perú. In: ABRAHAM, E. M.; BEEKMAN, G. B. Indicadores de la Desertificación para América del Sur. Mendoza-Argentina: LaDyOt-IADIZA-CONICET, 2006.

ADEDIJI, A.; TUKUR, A. M.; ADEPOJU, K. A. Assessment of Revised Universal Soil Loss Equation (RUSLE) in Katsina Area, Katsina State of Nigeria using Remote Sensing (RS) and Geographic Information System (GIS). Iranica Journal of Energy & Environment, v. 1, n.3, p. 255-264, 2010.

ALBUQUERQUE, E. M.; et al. Análise do comportamento do NDVI e NDWI sob diferentes intensidades pluviométricas no município de Sousa-PB. Revista Estudos Geoambientais, Rio Tinto, n. 01, v. 01; Jan-Abr, 2014.

AQUINO, C. M. S.; OLIVEIRA, J. G. B.; SALES, M. C. L. Estimativa da erosividade das chuvas (R) nas terras secas do Estado do Piauí. Revista Ciência Agronômica, v. 37, n. 3, p.287-291, 2006.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 8. ed. São Paulo: Ícone, 2012.

BOUYOUCOS, G. W. The clay ratio as a criterion as susceptibility of soils to erosion. J. Amer. Soci. Agron., Madison, Wisc., 27, p. 738-741, 1935.

CAMPOS FILHO, O. R.; SILVA, I. F.; ANDRADE, A. P.; LEPRUN, J. C. Erosividade da chuva e erodibilidade do solo no Agreste de Pernambuco. Pesq. agropec. bras., v. 27, n. 9, p.1369-1370, 1992.

CANTALICE, J. R. B. et al. Linhas Isoerosivas do Estado de Pernambuco - 1ª aproximação. Revista Caatinga. v. 22, n. 2, p.75-80, 2009.

CASTRO, W. J. et al. Erodibilidade de Solos do Cerrado Goiano. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, Maringá, v. 4, n. 2, p. 305-320, 2011.

EMBRAPA SOLOS. Sistema de Informações de Solos Brasileiros. Disponível em: < http://www.bdsolos.cnptia.embrapa.br/consulta_publica.html> Acesso em: 15 jul. 2015.

FARHAN, Y.; ZREGAT, D.; FARHAN, I. Spatial Estimation of Soil Erosion Risk Using RUSLE Approach, RS, and GIS Techniques: A Case Study of Kufranja Watershed, Northern Jordan. Journal of Water Resource and Protection, v. 5, p. 1247-1261, 2013.

FERREIRA, P. S. et al. Análise do cenário de suscetibilidade à desertificação na bacia hidrográfica do rio Pajeú – Estado de Pernambuco. Scientia Plena, v. 10, n. 10, p. 1-11, 2014.

FRANCISCO, P. R. M.; RIBEIRO, G. N.; MORAES NETO, J. M. Mapeamento da Deterioração Ambiental em Área de Vegetação de Caatinga. Revista Brasileira de Geografia Física v. 07, n. 02, p.304-318, 2014.

GALETI, P. A. Conservação do solo: reflorestamento e clima. Campinas, Instituto Campineiro de ensino agrícola, 257p. 1982.

GUERRA, A. T; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 3.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

HUDSON, N., Conservacion del suelo. Barcelona: Reverté,1982.

LEPSCH, I. F. Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, 2002.

LOMBARDI NETO, F.; MODENHAUER, W. C. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com as perdas de solo em Campinas (SP). Bragantia, Campinas, 51 (2), p. 189-196, 1992.

MANNIGEL, A. R. et al. Fator erodibilidade e tolerância de perda dos solos do Estado de São Paulo. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 5, p. 1335-1340, 2002.

MARQUES, V. S. Erosão hídrica em microbacia utilizando geotecnologias. Tese (doutorado), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Curso de Pós-Graduação em Agronomia. Seropédica, 2013.

MIRANDA, E. E. (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>. Acesso em: 26 jun. 2015.

OLIVEIRA, P. T. S.; WENDLAND, E.; NEARING, M. A. Rainfall erosivity in Brazil: A review. Catena, v. 100, p.139-147, 2012.

PERNAMBUCO. Atlas de bacias hidrográficas de Pernambuco. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, 2006.

PERNAMBUCO. Plano estadual de recursos hídricos. Recife: Secretaria de Ciências, Tecnologia e Meio Ambiente, 1998.

PULIDO GÓMEZ, J. D. Estimativa de erosão pela Equação Universal da Perda de Solo (USLE) e transferência de sedimentos para todo território brasileiro. Dissertação (Mestrado), Escola Superior de Agricultura. 89 p. Piracicaba, 2012.

RENARD, K. G.; et al. Predicting Soil Erosion by Water: A Guide to Conservation, Planning with the Revised Universal Soil Loss Equation (RUSLE). Washington: USDA/ARS – Agriculture Handbook n. 703, 1997.

SHARP, R. et al. InVEST 3.2.0 User’s Guide. The Natural Capital Project, Stanford University, University of Minnesota, The Nature Conservancy, and World Wildlife Fund, 2015. Disponível em: <http://www.naturalcapitalproject.org/invest/>. Acesso em: 03 Nov. 2015.

WISCHMEIER, W. H. & SMITH, D. D. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planniing. Washington, USDA, 1978. 58 p. (Agricultural Handbook, 537).

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais