Movimentos de massa em Salvador: uma contribuição preliminar

Autores

  • Juliet Oliveira Santana Universidade Federal da Bahia
  • Erika Do Carmo Cerqueira Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2563

Palavras-chave:

Áreas de concentração. Movimentos de massa. Deslizamento de terra. Desabamento de imóvel

Resumo

O número de ocorrências de movimento de massa em áreas urbanas tem crescido significativamente, principalmente nas grandes capitais do país. Com isso, muitos pesquisadores têm se dedicado a estudos que auxilie na compreensão dos fatores que podem estar contribuindo para o aumento dessas ocorrências. Com a cidade de Salvador-BA não é diferente, pois muitos são os fatores que corroboram para que os movimentos de massa aconteçam. Esses estão relacionados desde a sua localização geográfica que possui ligação direta com o clima, passando pela conformação espacial do relevo e consequentemente pela distribuição do contingente populacional que ocupa suas áreas. Assim, o trabalho a seguir tem a pretensão de apresentar os resultados alcançados, ainda que preliminares, através da pesquisa que vem sendo desenvolvida nessa área tendo como principal foco a identificação dos núcleos de ocorrências de movimentos de massa existente na cidade.

Biografia do Autor

Juliet Oliveira Santana, Universidade Federal da Bahia

Departamento de Geografia, Universidade Federal da Bahia.

Erika Do Carmo Cerqueira, Universidade Federal da Bahia

Departamento de Geografia, Universidade Federal da Bahia.

Referências

BRASIL, Diário Oficial da União. Decreto nº 8.948, de 29 de dezembro de 2016. Dez. de 2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/D8948.htm/> Acesso em 04 de fev. de 2017.

CODESAL, Defesa Civil de Salvador. Sistema de Gestão de Defesa Civil – SGDC. Salvador, 2015.

Desafíos para un buen vivir; Santiago – Chile, 2015.

GUERRA, A. J. T. Geomorfologia Urbana. Antônio José Teixeira Guerra (org.).- Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011. 280p.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=6&uf=00>. Acesso em 07 fev. 2017.

INMET, Instituto Nacional de Meteorologia. Chuva Acumulada Mensal, 2013-2014. Disponível em<http://www.inmet.gov.br/sim/gera_graficos.php>Acesso em 03 out. 2015.

MENEZES, M. S. de S. et al. Problemas de estabilidade das encostas da cidade do Salvador. CONFEA/CREA-BA, 1978.

NUNES, L. H. Urbanização de Desastres Naturais. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR (PMS). Lei n. 9.069 de 2016. Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Município de Salvador – PDDU 2016 e dá outras providências, 2016. Salvador: Secretaria de Desenvolvimento e Urbanismo, 2016, 58 p. Disponível em: < http://www.sucom.ba.gov.br/category/legislacoes/pddu/>. Acesso em: 15 set. 2016.

SANTANA, J. O; CERQUEIRA, E. do C. Identificação das áreas de riscos ambientais no município de Salvador/BA. CONFERENCIA DE LA TIERRA – Paisajes, Suelos y Biodiversidad:

SEI, Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. Limites Municipais, 2010.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais