Lineamentos de drenagem em setor de transição Cuestas-Depressão Periférica: contribuição à análise morfoestrutural da região de Analândia (SP)

Autores

  • Leandro de Godoi Pinton Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Câmpus São Carlos
  • Cenira Maria Lupinacci Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus Rio Claro (SP)

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2574

Palavras-chave:

Geomorfologia do Quaternário. Bacia Sedimentar do Paraná. Morfotectônica

Resumo

O presente artigo teve como objetivo apresentar os resultados obtidos no mapeamento dos lineamentos da rede de drenagem em setor transicional Cuestas-Depressão Periférica Paulista. Com base nessa apresentação, discutir algumas implicações do controle estrutural no desenvolvimento de processos morfogenéticos e de feições morfotectônicas do relevo cuestiforme. Os lineamentos foram extraídos com base na interpretação visual de trechos retilíneos e formas anômalas dos cursos d’água circunscritos em recorte da carta topográfica Corumbataí (SF-23-Y-A-I-2), na escala 1:50.000. A disposição direcional dos lineamentos de drenagem mapeados demonstra uma configuração polimodal, sendo as famílias N-S, E-W, NE-SW e NW-SE preponderantes na área de estudo. No âmbito do relevo cuestiforme, essas direções possuem correspondência com os sistemas de descontinuidades estruturais associados às deformações neotectônicas regionais. Desta forma, admite-se que as linhas de fraqueza instituídas por esse arranjo morfoestrutural influenciam na evolução recente de processos morfogenéticos e de feições morfotectônicas do relevo de cuestas.

Biografia do Autor

Leandro de Godoi Pinton, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Câmpus São Carlos

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Câmpus São Carlos

Cenira Maria Lupinacci, Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus Rio Claro (SP)

Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus Rio Claro (SP)

Referências

AB’SÁBER, A. N. Regiões de Circundesnudação pós-cretácea, no Planalto Brasileiro. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 1, p. 3-21, mar. 1949.

ALMEIDA, F. F. M. de. et al. Brazilian structural provinces: an introduction. Earth-Science Reviews, v. 17, p. 1-29, 1981.

ANDRADES-FILHO, C. de O.; GUASSELLI, L. A.; SUERTEGARAY, D. M. Investigação sobre a relação entre lineamentos estruturais e a ocorrência de areais no sudoeste do Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 12., 2007, Natal. Anais... Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007. p. 243-257.

BARCELONA, H. et al. Tectonic activity revealed by morphostructural analysis: Development

of the Sierra de la Candelaria range, northwestern Argentina. Journal of South American Earth Sciences, v. 56, p. 376-395, 2014.

CENTAMORE, E. et al. Morphological and morphometric approach to the study of the structural arrangement of northeastern Abruzzo (central Italy). Geomorphology, v. 16, p. 127-137, 1996.

CORRÊA, A. C. de B. et al. Megageomorfologia e morfoestrutura do Planalto da Borborema. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v. 31, n. 1-2, p. 35-52, 2010.

CUNHA, C. M. L. da. A influência da morfoestrutura na disposição de morros testemunhos: o caso do setor de cuestas de Analândia (SP). Revista Geonorte, Manaus, Edição Especial 4, v. 10, n. 6, p. 105-110, 2014.

CUNHA, C. M. da; PINTON, L. de G. A cartografia do relevo como subsídio para a análise morfogenética de setor cuestiforme. Mercator, Fortaleza, v. 12, n. 27, p. 149- 158, jan./abr. 2013.

DEMEK, J. Manual of detailed geomorphological mapping. Praga: Academia-IGU, 1972.

DEMEK, J. et al. The map of morphostructures of the Czech Republic. Geomorphologia Slovaca et Bohemica, v. 1, p. 5-14, 2007.

ESPINOZA, G. de los Á. V. et al. La zonificación morfotectónica-volcánica en el análisis

morfoestructural del relieve: el caso del municipio de Managua, Nicaragua. Investigaciones Geográficas, n. 87, p. 118-140, 2015.

ETCHEBEHERE, M. L. de C.; SAAD, A. R.; CASADO, F. da C. Análise morfoestrutural aplicada no vale do Rio do Peixe (SP): uma contribuição ao estudo da neotectônica e da morfogênese do Planalto Ocidental Paulista. Geociências - UNG, Guarulhos, v. 10, n. 6, p. 45-62, dez. 2005.

FACINCANI, E. M. Influência da estrutura e tectônica no desenvolvimento das boçorocas da região de São Pedro, SP: proposta de reabilitação e aspectos jurídico-institucionais correlatos. 1995. 124 f. Dissertação (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1995.

______. Morfotectônica da depressão periférica paulista e cuesta basáltica: regiões de São Carlos, Rio Claro e Piracicaba, SP. 2000. 222 f. Tese (Doutorado em Geologia Regional) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2000.

GERASIMOV, I. P. Experience with geomorphological interpretation of the general scheme of geological structure of URSS. Problemy fizicheskoy geografii, Moscou, v. 12, p. 89-115, 1946.

GERASIMOV, I. P.; MESCERJAKOV, J. A. Reljef Zemli (morfostruktura i morfoskulptura). Moscou: Nauka, 1967.

GUEDES, I. C. et al. Indicações de deformações neotectônicas na bacia do Rio Pardo-SP através de análises de parâmetros fluviomorfométricos e de imagens SRTM. Geociências, Rio Claro, v. 34, n. 3, p. 364-380, 2015.

GUEDES, I. C. Análise morfotectônica do Planalto Ocidental Paulista, ao sul do Rio Tietê: indicadores de deformações neotectônicas na fisiografia da paisagem. 2014. 2 v. Tese (Doutorado em Geologia Regional) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Carta Topográfica Corumbataí (Folha SF-23-Y-A-I-2). Rio de Janeiro: IBGE, 1971. Escala 1:50.000.

JIMÉNEZ-RUEDA, J. R.; NUNES, E.; MATTOS, J. T. Caracterização fisiográfica e morfoestrutural da Folha São José de Mipibu, RN. Geociências, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 481-491, 1993.

LOPES, F. C. et al. Morphostructural characterization of the western edge of the Huila Plateau (SW Angola), based on remote sensing techniques. Journal of African Earth Sciences, v. 117, p. 114-123, 2016.

MATTOS, J. T. et al. Análise morfoestrutural com uso de imagens MSS-Landsat e radar para pesquisa de hidrocarbonetos no estado de São Paulo. São José dos Campos: INPE, 1982. (Relatório do INPE-1445-RTR/015).

MESCERJAKOV, J. P. Les concepts de morphostructure et de morphosculture: um nouvel instrument de l’analyse geomorphologique. Annales de géographie, Paris, v. 77, n. 423, p. 538-552, 1968.

MOURA, C. A. de; RUEDA, J. R. J.; MATTOS, J. T. de. Determinação de áreas instáveis em faixa de dutos utilizando imagens de satélite Landsat. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 14., 2009, Natal. Anais... Natal: INPE, 2009. p. 3277-3284.

PENTEADO, M. M. Geomorfologia do setor centro-ocidental da Depressão Periférica Paulista. 1968. 86 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, Rio Claro, 1968.

PINTON, L. de G. Evolução dos processos morfogenéticos em relevo cuestiforme: a bacia do Córrego do Cavalheiro – Analândia (SP). 2016. 129 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2016.

PINTON, L. de G.; CUNHA, C. M. L. da. O uso de geoindicadores em paisagem rural: subsídios à análise das mudanças morfológicas antropogênicas da Bacia do Córrego do Cavalheiro - Analândia (SP). Revista do Departamento de Geografia (USP), São Paulo, v. 29, p. 1-19, 2015.

RICCOMINI, C.; CRÓSTA, A. P. Análise preliminar de lineamentos em imagens de sensores remotos aplicada à prospecção mineral na área dos granitóides Mandira, SP. Boletim IG-USP, São Paulo, Série Científica, v.19, p. 23-37, 1988.

ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo: escala 1:500.000. São Paulo: FFLCH-USP; IPT; FAPESP, 1997. 2 v.

SAADI, A. Neotectônica da Plataforma Brasileira: esboço e interpretações preliminares. Geonomos, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 1-15, 1993.

SABINS Jr., F. F. Remote sensing: principles and interpretation. San Francisco: W. H. Freeman, 1978. 426 p.

SILVA, C. L. da. Aspectos neotectônicos do médio Vale do Rio Moji-Guaçu: região de Piraçununga. 1997. 169 f. Dissertação (Mestrado em Geologia Regional) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1997.

SOARES, P. C. et al. Análise morfoestrutural em fotos aéreas: aplicação na prospecção de hidrocarbonetos na Bacia do Paraná. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2., 1982, Brasília. Anais... Brasília: INPE, 1982. p. 157-168.

SOARES, P. C.; FIORI, A. P. Lógica e sistemática na análise e interpretação de fotografias aéreas em Geologia. Notícia Geomorfológica, Campinas, v. 16, n. 32, p. 71-104, dez. 1976.

TAYLOR, G. R. Image analysis techniques for the interpretation of air photo lineaments, petroleum exploration, Eromanga Basin, Australia. Geocarto International, v. 3, n. 3, p.53-60, 1988.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos