Análise da variação termo-higrométrica dos espaços livres na área urbana de Lagoa Formosa (MG)

Autores

  • Francielle de Siqueira Castro Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida
  • Paulo Cezar Mendes Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida
  • Rildo Aparecido Costa Programa de Pós-graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, Universidade Federal de Uberlânida,

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2587

Palavras-chave:

Clima urbano. Áreas verdes. Temperatura e umidade

Resumo

O reflexo da relação entre os aspectos naturais e influência humana sobre o espaço traduz-se em diversos fenômenos ambientais urbanos. Nesse cenário, os espaços livres e as áreas verdes ganham destaque, principalmente por sua capacidade de influência na variação na temperatura e umidade. Assim, este trabalho objetivou investigar a dinâmica termo higrométrico nos espaços livres urbano de Lagoa Formosa (MG). A investigação científica se deu em três etapas: estruturação teórica dos temas; trabalho de campo para e levantamento empírico e sistematização e analises dos dados. Os resultados apontaram temperaturas mais elevadas e índices de umidade mais baixos no ponto de amostragem E.L.P3, características atribuídas ao padrão construtivo e a falta de arborização circundante. Em contrapartida, o ponto E.L.P2 além da representatividade arbórea, a presença do espelho d’água possibilitou a regulação térmica e propiciou que o microclima mantivesse temperaturas mais amenas e índices úmidos mais elevados em relação aos demais ambientes. 

Biografia do Autor

Francielle de Siqueira Castro, Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida

Programa de Pós-graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, Universidade Federal de Uberlânida,

Paulo Cezar Mendes, Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida

Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida

Rildo Aparecido Costa, Programa de Pós-graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, Universidade Federal de Uberlânida,

Programa de Pós-graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, Universidade Federal de Uberlânida,

Referências

BOVO, M. C. Áreas Verdes urbanas, Imagem e Uso: um estudo geográfico sobre a cidade de Maringá-PR. Tese de (Doutorado em Geografia) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2009.

CARLOS, A. F. A. A cidade. São Paulo: Editora Contexto, 2005. 98 p.

FONSECA, C. M. Das Histórias de Colo ao Canto da Alma. Lagoa Formosa: Multiprint, 2002. 264 p.

GARCÍA, F. F. Manual de climatoligía aplicada: cliama, medio ambiente y planificación. Madrid: Sintesis S. A., 1996. 285 p. (Serie Mayor). Coleção: Espacios y Sociedades.

GUZZO, P. Estudos dos espaços livres de uso público e da cobertura vegetal em área urbana da cidade de Ribeirão Preto SP. 1999. 106f. Dissertação (Mestrado em Geociências) Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro. 1999.

IBGE. Censos Demográficos. Rio de Janeiro, IBGE, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Centro de Previsão do Tempo e estudos climáticos (CPETC). Análise Sinótica. Disponível em: <http://www.cptec.inpe.br/noticias/faces/noticias.jsp?idConsulta=&idQuadros=142>. Acesso em: julho de 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Divisão de Satélites e sistemas ambientais (DSA). Acervo de Imagesn. Disponível em: < http://satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic>. Acesso em: julho de 2014.

LIMA, A. M. L. P. et al. Problemas de utilização na conceituação de termos como espaços livres, áreas verdes e correlatos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, 2, 1994. São Luiz/MA. Anais... São Luiz: Imprensa EMATER/MA, 1994. p. 539 – 553.

LLARDENT, L. R. A. Zonas verdes y espaços livres en la ciudad. Madrid: Closas Orcoyen, 1982.

LOBODA, C. R. Estudo das Áreas Verdes Urbanas de Guarapuava-PR. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Estadual de Maringá, UEM. Maringá, 2003.

LOBODA, C. R; ANGELIS, B. L. D. Áreas Públicas Urbanas: conceito, uso e funções. Ambiência. Guarapuava, PR, v.1 n.1, p. 125-139, jan./jun. 2005, ISSN 1808 – 0251. Disponível em: <http://www.unicentro.br/editora/revistas/ambiencia/v1n1/artigo%20125-139_.pdf>. Acesso em: 06 jan. 2014.

MENDONÇA, F. Clima e planejamento urbano em Londrina – proposição metodológica e de intervenção urbana a partir do estudo do campo termo-higrométrico. In: MENDONÇA, F; MONTEIRO, C. A. de F. (Org). Clima urbano. São Paulo: Contexto, 2003, 192 p.p. 93-120.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2ª ed. Curitiba: O Autor, 2008. 150 p. Disponível em: < http://www.geografia.ufpr.br/laboratorios/labs/arquivos/qldade_amb_aden_urbano.pdf> Acesso em: 06 jan. 2014.

SANCHOTENE, M. do C. Desenvolvimento e perspectivas da arborização urbana no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, 2, 1994. São Luiz/MA. Anais... São Luiz: Imprensa EMATER/MA, 1994. p. 15-26.

SANTOS, M. A natureza do espaço – Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

VIDAL, R. Influência da morfologia urbana nas alterações da temperatura do ar na cidade de Natal-RN. Dissertação (Mestrado em Geografia) – UnB/Brasília: 1991.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades