Estudo da vazão e construção de cenários a partir das mudanças de uso da terra e cobertura vegetal nativa da bacia hidrográfica do Alto Curso do Rio Misericórdia - MG

Autores

  • Mirna Karla Amorim da Silva Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia
  • Roberto Rosa Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2591

Palavras-chave:

Modelagem hidrológica. Uso da terra. Vazão

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo estudar a vazão e construir cenários a partir das mudanças de uso da terra e cobertura vegetal nativa, na bacia hidrográfica do alto curso do rio Misericórdia, localizada em parte dos municípios de Ibiá, Pratinha e Campos Altos, Minas Gerais.  A principal ferramenta utilizada foi o modelo hidrológico MGB-IPH. As vazões mínima, máxima, média e o escoamento total anual foram analisados em cenário real (2010) e cenários hipotéticos de uso da terra. De forma geral, verificou-se que a substituição da cobertura vegetal nativa pelo uso da pastagem, aumentou a vazão máxima (76,27 para 105,72 m3/s) e a vazão média (23,98 para 24,74 m3/s) e reduziu a vazão mínima (10,18 para 6,19 m3/s). A substituição da cobertura vegetal nativa pela agricultura resultou em redução da vazão máxima (76,27 para 47,28 m3/s), mínima (10,18 para 9,25 m3/s) e da vazão média (23,98 para 19,24 m3/s).

Biografia do Autor

Mirna Karla Amorim da Silva, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia

Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia

Roberto Rosa, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia

Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia

Referências

ANA. Agência Nacional de Águas. Hidroweb – Sistema de Informações hidrológicas. Disponível em: Acesso em: mar. 2013.

BAYER, D. M.; COLLISCHONN, W. Análise de sensibilidade do Modelo MGB-IPH a mudanças de uso da terra. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos. Vol. 18 n.3 – jul./set. 2013, p. 165-179.

CBH-ARAGUARI. Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari. Disponível em: <http://www.cbharaguari.org.br/>. Acesso em: mar. 2013.

CHAUDHRY, F. H.; PAIVA, J. B. D.; REIS, L. F. R. Monitoramento de Bacias Hidrográficas e Processamento de Dados/ Organizado por Fazal H. Chaudhry, João Batista Dias de Paiva; Luiza Fernanda Ribeiro Reis – São Carlos: RIMA, 2004. 326p.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda., 1999. 236 p.

COLLISCHONN, W. Simulação hidrológica de grandes bacias. 2001. 270 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

RENNÓ, C. D.; SOARES, J. V. Conceitos básicos de modelagem hidrológica. In: MEIRELLES, M. S. P. Geomática: modelos e aplicações ambientais / Editores técnicos: Margareth Simões Penello Meirelles, Gilberto Câmara e Cláudia Maria de Almeida – Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2007. 593 p.

ROCHA, J. S. M. Manual de manejo integrado de bacias hidrográficas. Santa Maria: Edições UFSM, 1991. 181p.

ROSA, R. Estoque de Carbono em Solos sob Pastagens Cultivadas na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba: Mapeamento e Modelagem. 2012. 198 f. Relatório (Pós-doutorado em Geociências Aplicadas) – Universidade de Brasília – Instituto de Geociências, Brasília, 2012.

TUNDISI, J. G.; TUNDISI, T. M. A água. São Paulo: Publifolha, 2005.

UFRGS. Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Instituto de Pesquisas Hidráulicas. Hidrologia em grande escala. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/hge/mgb-iph/> Acesso em: mar. 2011.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física