A INFLUÊNCIA DO NACIONALISMO E DE DELGADO DE CARVALHO NO CURRÍCULO DE GEOGRAFIA, DO ENSINO SECUNDÁRIO DE 1935, PROPOSTO POR MARIA CONCEIÇÃO VICENTE DE CARVALHO, PIERRE MONBEIG E AROLDO DE AZEVEDO

  • João Luiz Cuani Junior
  • Márcia Cristina de Oliveira Mello
Palavras-chave: Ensino de Geografia; Geografia e nacionalismo, Divisão regional

Resumo

Este artigo traz um recorte de uma pesquisa vinculada a FAPESP, na qual busca-se discutir o currículo do ensino de Geografia proposto por Maria Conceição Vicente de Carvalho, Pierre Monbeig e Aroldo de Azevedo. Buscamos entender quais foram os fatores políticos e educacionais que influenciaram os conteúdos e as metodologias para o ensino de Geografia nos anos de 1930. No contexto do final do século XVIII e início do século XIX entre as necessidades do Estado estava consolidar um Estado-Nação, a partir do sentimento de pertencimento do território nacional. No campo do ensino de Geografia buscava-se combater os ensinamentos de uma Geografia tradicional com caráter mnemotécnico onde deveria ser deixado de lado os ensinamentos puramente destinados a memorização, portanto, divulgavamse as premissas de uma “Geografia moderna” onde os alunos deveriam se sentir contagiados pelo espírito geográfico. Neste sentido, o currículo pensado por Maria Conceição Vicente de Carvalho, Pierre Monbeig e Aroldo de Azevedo pretendia perpetuar essa nova concepção de Geografia

Publicado
2019-12-09
Edição
Seção
História da Geografia Escolar: conteúdos, recursos didáticos e ideologias