OS MAPAS MENTAIS COMO LINGUAGEM E REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO ESCOLAR POR ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • Shakira Porciuncula Salasar
  • Rebeca J. Nunes da Silva
  • Rosangela Lurdes Spironello
Palavras-chave: Ensino de Geografia, Mapas Mentais, Cartografia Escolar

Resumo

O presente artigo apresenta o desenvolvimento da oficina Mapeando Minha Escola, originado no PIBID Geografia da Universidade Federal de Pelotas. O mesmo tem por objetivo descrever a prática realizada em uma turma do ensino fundamental da educação básica na cidade de Pelotas – RS. Metodologicamente, a proposta se inspirou em Lima e Kozel (2009), em que afirmam que os mapas mentais usam como referencial, as vivências e percepções do sujeito, possibilitando com isso, ressignificar o espaço geográfico. Desta forma, foram elaborados mapas mentais, os quais possibilitaram discutir conceitos básicos da cartografia, sob a perspectiva da análise do lugar. Pode-se perceber a partir da elaboração dos mapas mentais, que os escolares puderam fazer uso de uma linguagem até então desconhecidas para eles, descortinado assim, um universo de possibilidades que expressam sentimentos diante ao espaço de convívio, que neste caso é o ambiente escolar.

Publicado
2019-12-09
Edição
Seção
Linguagens cartográficas no Ensino de Geografia