MÚSICA E IMAGINAÇÕES ESPACIAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DE ESTUDANTES DE ESCOLA PÚBLICA DE DOURADOS (MS)

  • Karen Miyasato Ribeiro
Palavras-chave: Música, imaginações espaciais, alunos

Resumo

A pesquisa aqui apresentada parte da compreensão sobre a importância de propor novos (ou outros) olhares sobre questões relacionadas ao espaço por meio das diferentes linguagens, entre elas, a música. Observando como a música tem sido cada vez mais presente na vida dos alunos, despertou-se o interesse em compreender, a partir de determinados gêneros, como esta se relaciona com seu cotidiano, identificando os fatores pelos quais eles escutam determinadas músicas de diversos gêneros e sua relação com a realidade que vivenciam. Assim, o objetivo central da pesquisa é analisar de que maneira as preferências musicais dos estudantes de uma escola pública de Dourados (MS) se relacionam com suas vivências, práticas e imaginações espaciais. Para atingir os objetivos propostos na pesquisa, além de iniciarmos a revisão bibliográfica sobre o tema, foi aplicado um questionário junto a alunos do 8º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública de Dourados (MS). Tal escola está localizada em uma das regiões carentes de Dourados (MS) e os alunos que a frequentam, em geral, possuem perfil socioeconômico de baixa renda e tem contato frequente com situações de violência. Os resultados obtidos indicam os motivos pelos quais os alunos gostam de música, suas principais preferências em termos de gêneros musicais e de músicas e artistas em específico. Notou-se o predomínio do rap/hip-hop, seguido do funk e do sertanejo entre os gêneros que os alunos mais gostam. Tais preferências nos trazem indícios de que há uma identificação, por parte dos alunos, entre as músicas (letras e contexto de produção) e as realidades que vivenciam cotidianamente. Nas próximas etapas da pesquisa analisaremos as letras das músicas mais citadas na preferência dos alunos pesquisados, procurando relacioná-las aos gêneros musicais no intuito de buscarmos elementos que permitam pensar em que medida tais músicas participam da construção das imaginações e práticas espaciais desses alunos.

Publicado
2019-12-10
Edição
Seção
Múltiplas linguagens no Ensino de Geografia