SOBRE CINEMA E GEOGRAFIA NA ESCOLA: ALGUMASAPROXIMAÇÕES DE PESQUISA

  • Ana Paula Nunes Chaves
  • Ana Maria Hoepers Preve
Palavras-chave: Educação geográfica; Cinema; Cultura visual

Resumo

Em 2014, a Lei 13.006 tornou obrigatória a exibição de filmes do cinema nacional nas escolas brasileiras, como componente curricular complementar. A obrigatoriedade de exibição de pelo menos duas horas mensais de filmes brasileiros trouxe a tona a discussão a respeito de como (e se) o cinema vem sendo utilizado no âmbito escolar. No ano seguinte, professores pesquisadores da Rede Internacional de Pesquisa Imagens, Geografias e Educação propuseram uma pesquisa comum a todos os polos da Rede (Brasil, Argentina e Colômbia), por meio de um questionário base, afim de averiguar de que forma os professores de Geografia estavam se apropriando desta nova possibilidade na educação. Embora a tabulação dos dados de todos os polos brasileiros ainda esteja sendo finalizada, o presente artigo procura traçar diálogos com as primeiras reflexões trazidas por Oliveira Jr.(2017), a respeito das análises iniciais da pesquisa comum. Assim, este artigo tem como objetivo apresentar algumas das análises preliminares da pesquisa As telas da escola: cinema e professores de geografia, considerando os questionários respondidos por professores de geografia atuantes na educação básica na região da Grande Florianópolis. A partir daí, almejamos colocar em cena o papel educativo das imagens a partir do levantamento dos filmes brasileiros mais utilizados pelos professores de geografia em sala de aula. Nesse sentido, observamos como os filmes têm a potência de marcar o imaginário espacial e cultural dos alunos e, a partir disso, atentar para a necessidade de discussão sobre os filmes apresentados, mostrando-os como um dos pontos de vista da realidade, mas não o único.

Publicado
2019-12-11
Edição
Seção
Múltiplas linguagens no Ensino de Geografia