DISSOLVER FRONTEIRAS: APROXIMAÇÕES DA GEOGRAFIA COM A ARTE E SUAS REVERBERAÇÕES NA EDUCAÇÃO

  • Pablo Sebastian Moreira Fernandez
Palavras-chave: Metodologia de Ensino e de Pesquisa, Experiência, Geopoética

Resumo

Este texto resulta de um exercício epistemológico e educativo que articula Geografia, Artes e Educação, e funda um conjunto de práticas e narrativas educativas enquanto horizonte possível para “dissolver fronteiras”. Nesta proposta que se constrói no interior de um projeto de pesquisa intitulado Geopoéticas e Educação, que busca investigar a relação da Educação com a Geografia em suas abordagens Fenomenológica e Cultural. Nesta proposta considera-se o papel das experiências na perspectiva da “geograficidade” e das narrativas geográficas inscritas em linguagens como: a cartografia, a fotografia, o cinema, a poesia, a literatura, a performance e a videoarte. Assim, as experiências e narrativas são tomadas como modos de dar sentido ao espaço e suas reverberações epistemológicas, políticas e educativas. Tal articulação e consolidação de uma perspectiva experimental no Ensino de Geografia ocorre através do reconhecimento e do encontro com a multiplicidade de identidades e sujeitos que habitam os espaços escolares e não-escolares com suas espacialidades e “geografias menores” (OLIVEIRA JR., 2010). Dentro desta pesquisa, têm-se proposto um conjunto de experimentações geopoéticas de modo a materializar a articulação entre experiência e linguagem geográfica, sendo que até o momento, ocorreram dois exercícios. O primeiro momento se dá com a leitura da obra performática “Notícias de América” do artista Paulo Nazareth e seu trajeto “a pé” do Brasil até os E.U.A. (apresentada a partir de registros fotográficos e videográficos). E o segundo, que se constitui a partir de uma residência artísticaeducativa realizada com jovens moradores do entorno de uma área de mineração no interior do estado de Minas Gerais. Pode-se dizer que estas experiências fundam uma perspectiva “geopoética” que colabora com o processo de “Dissolver Fronteiras”. Tais experiências que se constituem a partir da problematização das dinâmicas e experiências de fluxo e cerceamento produzem “imagens (de) migrantes”, que atuam na conexão entre lugares e originam processos educativos no campo da Geografia em interseção com as Artes.

Publicado
2019-12-11
Edição
Seção
Múltiplas linguagens no Ensino de Geografia