LINGUAGEM PICTÓRICA E ENSINO DE GEOGRAFIA: EXPERIMENTAÇÕES COM OBRAS DO MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE MATO GROSSO DO SUL (MARCO)

  • Renan Carnaúba de Oliveira
  • Flaviana Gasparotti Nunes
Palavras-chave: Linguagem pictórica, ensino de Geografia, MARCO

Resumo

Nesta pesquisa propõe-se compreender as especificidades da linguagem pictórica e, partir disso, identificar possibilidades para o ensino de Geografia utilizando algumas obras selecionadas do acervo permanente do Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul (MARCO). Acreditamos que por meio da linguagem pictórica é possível identificar elementos que contribuam para o ensino de Geografia, refletindo sobre questões relativas às dinâmicas socioespaciais que envolveram o artista, gerando imaginações pautadas nos elementos da obra. Identificando e compreendendo representações culturais e símbolos que o artista utiliza, destacamos a potencialidade de aprender ler e interpretar a linguagem pictórica, considerando-a como expressão de variados elementos e imaginações acerca do espaço. Além das reflexões de cunho teórico-conceitual, a pesquisa envolve experimentações em sala de aula, realizando um revezamento entre teoria e prática. Assim, nas experimentações já realizadas, procuramos utilizar algumas pinturas do acervo permanente do MARCO na perspectiva de pensá-las como linguagem e não como mero recurso didático ilustrativo dos conteúdos, exercitando as potencialidades da linguagem pictórica na construção de pensamentos espaciais. As experimentações ocorreram em uma escola localizada no município de Fátima do Sul (MS), a Escola Estadual Vila Brasil e o objetivo principal foi que os alunos exercitassem a análise das obras de arte, capacitando habilidades de interpretar e desenvolver produtos de linguagem não verbal, para perceber-se como ser sensível a arte, capaz de produzir releituras de obras com potencial para elaborar pensamentos sobre fatos e fenômenos geográficos, imprimindo uma marca pessoal ao trabalho.

Publicado
2019-12-11
Edição
Seção
Múltiplas linguagens no Ensino de Geografia