ENTENDIMENTOS, FONTES E PRÁTICAS DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: ESTUDO COM ESTAGIÁRIOS DE GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

  • Willian Falcão Lopes
  • Liége Maria Sitja Fornari
  • Maria Inez da Silva de Souza Carvalho
Palavras-chave: Aprendizagem significativa, Concepções e práticas, estagiários de Geografia

Resumo

O presente artigo, investigou a aprendizagem significativa desenvolvida por estagiários de Geografia da UFBA, na perspectiva de compreender a articulação entre concepções teóricas e as práticas desenvolvidas no período de estágio de regência nas escolas, no semestre 2018.2. Para tanto, foram desenvolvidos os seguintes procedimentos: levantamento e estudos bibliográficos sobre as concepções de aprendizagem significativa; observação (participante) de cinco aulas de cada uma das cinco duplas de estagiários colaboradores e entrevistas (semiestruturadas e grupo focal) com dez estagiários regularmente matriculados no componente curricular de Estágio III em Geografia. O estudo apoiou-se nas abordagens qualitativas de pesquisa, sendo um estudo exploratório. A compreensão a que se chegou, foi que as percepções dos estagiários giram em torno de um núcleo de sentido comum, no qual o entendimento de ensino, busca potencializar nos estudantes aprendizagens significativas. Contudo, quando questionados sobre as concepções de aprendizagem significativa, muitos não conseguiam desenhar o conceito, justificando que não obtiveram fundamentos, na universidade, para essa construção, e que operavam com os conceitos de forma instrumental. Entretanto, mesmo diante do trabalho provocativo e problematizante com o conceito de aprendizagem significativa nas aulas de estágio e nos encontros de grupo focal, no momento da observação, das aulas dos estagiários, percebeu-se dificuldades dos discentes em operacionalizar, no momento da regência, práticas pedagógicas articuladas com as concepções teóricas que haviam elaborado, não conseguindo desenvolver procedimentos que encaminhassem os estudantes a construírem aprendizagens mais autônomas e significativas. A maior preocupação era em transmitir os conteúdos. Assim, ficou perceptível que a apropriação do discurso, presente no cotidiano acadêmico, não assegura, necessariamente, mudanças nas práticas escolares.

Publicado
2019-12-11
Edição
Seção
Metodologias ativas no Ensino de Geografia