AS SIGNIFICAÇÕES CURRICULARES E SUA RELAÇÃO COM O TRABALHO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA

  • Leovan Alves dos Santos
Palavras-chave: Currículo de Geografia; Geografia escolar; Prática docente

Resumo

Este texto apresenta uma discussão em torno do conceito de currículo a partir de suas origens e significações estabelecendo relações e possibilidades para o trabalho docente em Geografia. O currículo é um artefato social e cultural implicado em relações de poder que constroem visões e identidades sociais específicas e interessadas. Nesse contexto complexo, o professor de Geografia exerce a docência a partir de inúmeras referências e influências, considerando em seu trabalho cotidiano os pressupostos teórico-metodológicos e pedagógico-didáticos historicamente construídos ao longo da evolução da ciência geográfica e de seu processo de formação. Ao mesmo tempo, esse professor é “bombardeado” por uma série de orientações externas (muitas delas envolvendo as questões curriculares) que apontam de que forma deve ser sua prática em sala de aula e quais conteúdos devem ser ensinados. O professor, nesse sentido, estabelece uma progressão de aprendizagem para seus alunos a partir da construção de seu currículo modelado. É possível notar que, por meio do currículo, são orientados os conhecimentos escolares e, consequentemente, a manutenção ou a modificação do contexto no qual o próprio currículo se insere. Portanto, a seleção dos conteúdos que constam em um currículo não é neutra, mas sim realizada a partir de uma certa concepção de conhecimento, aquela dos responsáveis por sua elaboração. Sendo assim, esses conteúdos são selecionados pelos professores porque são considerados necessários para suprir as exigências de um determinado contexto político, econômico e social. Ao discutir os elementos da formação do currículo faz-se necessário ter como foco a atuação do professor, uma vez que o currículo realizado, construído e efetivado na escola depende da realização entre o pensamento autônomo do professor em relação ao seu trabalho e as condições que a ele são impostas. O conhecimento de base do ensino é o conhecimento didático do conteúdo, ou seja, o conhecimento do professor sobre a forma como se ensina determinada matéria, de modo a propiciar a aprendizagem dos alunos. O trabalho didático do professor com o conteúdo do ensino se faz e é organizado para que ele seja compreensível pelos estudantes, e isso requer os conhecimentos dos conteúdos a serem trabalhados, dos modos de ensinar esses conteúdos aos alunos e dos contextos em que o mesmo está envolvido. Dessa forma, focalizar nos sujeitos que estão envolvidos na produção das políticas tornou-se uma estratégia importante, não com o objetivo de centrar a responsabilidade pela elaboração dos textos num segmento ou ator específico, mas como oportunidade de compreender que, na tentativa de influenciar a definição da política e, simultaneamente, defender possíveis leituras do conhecimento disciplinar, ocorrem disputas, negociações e se produzem híbridos de diferentes sentidos de educação, de ensino de Geografia, Ensino Médio e currículo, que se imbricam na tentativa do consenso, o que é um momento sempre conflituoso. 

Publicado
2019-12-12
Edição
Seção
Políticas e Práticas curriculares no Ensino de Geografia