ANÁLISE COMPARATIVA DA BNCC E DAS DIRETRIZES CURRICULARES DE CAMPINAS-SP: CONSIDERAÇÕES DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA REDE MUNICIPAL

  • Clayton José Budin
  • Acácia Aparecida da Silva
  • José Cícero Alves
Palavras-chave: Professores de Geografia e História, Base Nacional Curricular Comum, Diretrizes Curriculares Municipais

Resumo

O presente trabalho foi um desdobramento dos estudos realizados pelo Grupo de Estudos de componentes curriculares de Geografia e História, vinculado à Secretaria Municipal de Educação de Campinas. Seu objetivo foi analisar a parte da Base Nacional de Comum Curricular (BNCC) referente ao ensino fundamental, bem como seus propósitos para o ensino e aprendizagem no Brasil. Para isso, procedemos a leitura crítica do documento, cotejando-o com iniciativas da mesma natureza, como as Diretrizes Curriculares Municipais, e com outros estudos, vídeos, e participação em debates públicos. Nossa principal conclusão foi que, apesar de trazer em sua introdução um discurso de valorização das realidades, experiências e autonomia locais, a BNCCcriou modelos rígidos (as tabelas de “unidades temáticas”, “objetos de conhecimento” e “habilidades”) centralizados pela União, que privilegiam um núcleo de “conteúdos duros” que dão pouco espaço à autonomia local, e são pouco afeitos ao despertar do senso crítico pelos alunos, à formação para a cidadania ou ao desenvolvimento cognitivo futuro. Em perspectiva comparada à BNCC, as Diretrizes Municipais têm um olhar mais abrangente,que valoriza os contextos escolares ea autonomia da escola.

Publicado
2019-12-12
Edição
Seção
Políticas e Práticas curriculares no Ensino de Geografia