PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NA FORMAÇÃO DE PROFESSORE(A)S DE GEOGRAFIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

  • Camila Freire Sampaio
Palavras-chave: Ensino, Prática, Geografia

Resumo

O artigo tem como objetivo trazer reflexões sobre os desafios que envolvem as práticas como componentes curriculares na formação de professores de Geografia, desafio tanto para o(a)s docentes que a ministram, quanto para o(a) discentes dos cursos de Licenciatura. A metodologia do trabalho pode ser considerada pesquisa-ação, embasada em critérios qualitativos, pois as reflexões aqui apresentadas são resultados de observações, leituras, grupo de estudos, escuta (de professoras, professores, alunos e alunas), análises e sínteses realizadas no decorrer dos dois anos de docência das disciplinas que possuem a prática como componente curricular. Também realizou-se entrevistas com quatro professoras que lecionam essas componentes curriculares que envolvem a prática docente, de quatro importantes universidades no âmbito da formação de professores de Geografia em território cearense: Universidade Estadual do Ceará – UECE, Universidade Federal do Ceará – UFC, Universidade do Vale do Acaraú – UVA e Universidade Regional do Cariri – URCA. Os componentes curriculares que possuem a prática enquanto núcleo representam uma tentativa de romper com o modelo em que prevalece a racionalidade tecnicista, na busca por outras concepções curriculares nos cursos de formação de professores. Dessa forma, os resultados apontam que, embora se verifique relativo avanço no processo de profissionalização docente, é indubitável a relevância que as práticas como componentes curriculares em Geografia possuem para a formação de professores, mas é incontestável que ainda há muitos desafios para que as práticas como componentes curriculares consigam contemplar seus objetivos em toda sua plenitude, pois as mesmas ainda são bastante incompreendidas por docentes e discentes. 

Publicado
2019-12-12
Edição
Seção
Políticas e Práticas curriculares no Ensino de Geografia