A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA

  • Sandra de Castro de Azevedo
  • Felipe Moretto Moura
Palavras-chave: Geografia Escolar; Formação de professores; Livro Didático

Resumo

Para refletirmos sobre a educação básica temos que considerar diversas variáveis, sendo a formação de professores, uma variável muito importante. A governança educacional tem se dedicado a tratar essa temática, e um resultado importante deste processo é a resolução CNE/CP 2 de 19 de fevereiro de 2002 que define a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, e estabelece 400 horas de práticas como componente curricular (PCC) que visam ampliar a vivência práticas dos graduandos, para além dos estágios. Houve certa dificuldade na aplicação da prática a partir de sua implementação pela falta de orientação, cada curso entendeu e definiu a prática como componente curricular de acordo com as condições e entendimento da Instituição. Para analisar a política educacional este trabalho utilizou o Ciclo de Política de Ball buscando entender o processo de produção da lei e sua aplicação. Propomos aqui uma metodologia de análise de livros didáticos como efetivação de 30 horas da PCC, buscando uma aproximação entre os conteúdos trabalhados no âmbito acadêmico e escolar, bem como a aproximação do graduando ao cotidiano escolar. A importância do trabalho se dá diante da carência deste tipo de análise, pretendendo contribuir com a discussão sobre a formação de professores de geografia, assim como destacar e questionar o papel importante do livro didático no processo de ensino. Conclui-se que tal tipo de análise proposta a graduandos, enriquece de diversas formas aos alunos em formação, de mesmo modo que traz a articulação necessária ao conhecimento fragmentado da ciência geográfica.

Publicado
2019-12-12
Edição
Seção
Políticas de formação de professores e o Ensino de Geografia