RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES(AS): ENTRE A PRESCRIÇÃO E AS EXPERIÊNCIAS

  • Zenaira Santos
  • Bruna Machado da Rocha
  • João Pedro Lepore Leandro
  • Paloma Sousa Vieira da Silva
Palavras-chave: Formação de professores, Residência Pedagógica e Experiência

Resumo

O artigo tem por objetivo apresentar questões derivadas das experiências e dos desafios vivenciados pelos(as) professores(as) de Geografia em formação nos seus primeiros contatos com a escola, especificamente, através da participação no Programa Residência Pedagógica. Muitos dos desafios vivenciados pelos docentes já foram apontados pelos(as) estudiosos(as) da área de educação e do ensino de Geografia, contudo, faz-se necessário agregar outras experiências ao debate, contribuindo, desta maneira, para ampliação das questões que circundam a formação do professor. Nesse sentido, tomaremos como referência a experiência dos bolsistas do Programa Residência Pedagógica da Universidade Federal Fluminense UFF- Geografia, desenvolvido no Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho (IEPIC), localizado em Niterói-RJ. Através das rodas de conversa, participação nas aulas, observações e anotações realizadas pelos(as) residentes5 recolhemos as questões que permearam a implementação da Residência pedagógica, bem como as experiências e os desafios pontuados pelos(as) discentes envolvidos(as) com o programa. Esse percurso nos fez perceber que entre a prescrição e a experiência existe um caminho que precisa ser contado. O recorte escolhido enfatiza o professor de Geografia como um profissional crítico e reflexivo, cuja formação teórica aliada às imersões da prática escolar proporciona maior elucidação dos desafios que nos são apresentados cotidianamente na práxis educativa.

Publicado
2019-12-12
Edição
Seção
Políticas de formação de professores e o Ensino de Geografia