Efeitos da falta de planejamento urbano na bacia do Córrego Lagoinha em Uberlândia - MG

Autores

  • Flábio Gonçalves Universidade Federal de Goiás
  • Ana Paula Vieira Marques Universidade Federal de Goiás
  • Adria Rodrigues Fontes Universidade Federal de Goiás
  • João Donizete Lima Universidade Federal do Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1834

Palavras-chave:

Poluição. Degradação. Omissão. Ação Antrópica

Resumo

O artigo visa demonstrar que o Córrego Lagoinha em Uberlândia-MG não possui vazão suficiente para escoamento de chuvas e que contaminado devido ao esgoto clandestinos. O objetivo do trabalho foi constatar e demonstrar a existência irregular de esgoto, falta de vazão adeauda da água e contaminação por lixos. O resultado encontrado em relação às enchentes foi a falta de impermeabilização do solo na região do Córrego devido às várias contruções, asfalto e áreas concretadas e também por haver saída única de água que é insuficiente. Já em relação à contaminação e poluição da água dá-se pelos esgotos clandestinos e pelos lixos encontrados no leito da Baci. Enfim, o artigo teve como resultado uma pesquisa que demonstrou que o Córrego está com sérios problemas ambientais para serem resolvidos, como: retirada de lixo, retirada do esgoto clandestino, abertura de áreas permeáveis ao se redor e adequação da saída da água do Córrego.

Biografia do Autor

Flábio Gonçalves, Universidade Federal de Goiás

Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Goiás – UFG. Regional Catalão.

Ana Paula Vieira Marques, Universidade Federal de Goiás

Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Goiás – UFG. Regional Catalão

Adria Rodrigues Fontes, Universidade Federal de Goiás

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Goiás

João Donizete Lima, Universidade Federal do Goiás

Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Goiás - UFG. Doutor do Programa de Pós-Graduação em Geografia.

Referências

AB´SABER. A. N.. Bases Conceptuais e papel do conhecimento na previsão de impactos. In: AB’SÁBER, A. N.; MÜLLER-PLANTENBERG, C. (Orgs.). Previsão de impactos: o estudo de impacto ambiental no leste, oeste e sul: experiências no Brasil, na Rússia e na Alemanha. São Paulo: EDUSP, 1994.

ANDRADE, M. C. de. Ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987. p.11.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 24. ed. Rio de Janeiro: Edipro, 2015.

BRASIL. CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Brasília, Distrito Federal. Disponível em: Acesso em: 04 nov. de 2016.

CÂMARA, G.; DAVIS, C. Apresentação. In: CÂMARA, G; DAVIS, C.; MONTEIRO, A. M.V. Introdução à Ciência da Geoinformação. 2002. cap. 1. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/>. Acesso em: 14/04/2017.

CAPEL, H. Geografia contemporânea: ciência e filosofia. Tradução de Jorge Ulisses Guerra Villalobos. Maringá: Eduem, 2010.

GODOY, A. S.. Introdução à pesquisa qualitativa a e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995. p.62.

GOMES, P. C. da C. Geografia e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados sobre as cidades. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

LIMA-E-SILVA, P. P.; GUERRA, A. J. T.; DUTRA, L..E. D.. Subsídios para avaliação econômica de impactos ambientais. In: CUNHA, S.B.; GUERRA, A.J.T. (org.) Avaliação e perícia ambiental. 5. Ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. p. 217-257.

MELO, M. C. A. A interação homem-natureza na bacia hidrográfica do Córrego Bebedouro no município de Uberlândia (MG). Catalão: UFG, 2012. 112f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Goiás, Campus Catação (GO), 2012.

PACHECO, A. P., RIBAS, N. S., Sensoriamento Remoto aplicado ao Uso da Terra. GEODÉSIA online. Revista da Comissão Brasileira de Geodésia. Recife, v. 4, 1998.

PINTO, N. L. de S. et al. Hidrologia Básica. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 1976. p.38.

PORTO-GONÇALVES. C. V.. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. p. 18.

SANTOS, M. Manual de Geografia Urbana. Coleção Geografia: Teoria a Realidade. São Paulo. Editora Hucitec, 1981. p. 38.

SILVA, J. F.; RODRIGUES, S. C. Síntese ambiental e evolução do uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do Córrego do Salto, Uberlândia (MG). Uberlândia. Revista Caminhos da Geografia. V. 6, n. 12, Jun 2004, p. 114-127. Disponível em: www.ig.ufu.br. Acesso em: 01 nov. 2016.

SPOSITO, E. S. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: Editora da UNESP, 2004. p.39.

TUCCI, C. E. M. Plano Diretor de Drenagem Urbana: Princípios e Concepção. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 2, n. 2, p. 5-12, jul./dez.1997.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão