Tipologia de canais fluviais urbanizados na bacia hidrográfica do córrego Jaracatiá, Colider - Mato Grosso

Autores

  • Gustavo Roberto dos Santos Leandro Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
  • Andressa Damas Machado Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Claudete Silveira Damas Machado Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Ronilson de Araújo Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1860

Palavras-chave:

Urbanização. Ações antropogênicas. Cursos d’água. Canais de primeira ordem. Sistema Amazônico

Resumo

Os canais fluviais são produtos da interação de vários elementos ambientais e, a partir de processos dinâmicos, contribuem para a esculturação do relevo. São, ainda, as principais fontes de recursos hídricos e, além disso, propiciam condições biofísicas para diversos ambientes (aquáticos e terrestres). Contudo, há evidência de degradação nos sistemas desses canais, principalmente em virtude de uso e de alterações diretas que, no caso, com maior destaque, tem-se a urbanização. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi analisar as características do córrego Jaracatiá, com trechos que percorrem o perímetro urbano de Colider - Mato Grosso. Foram classificados em: a) Fechados, b) Mistos e c) Não canalizados. O perímetro urbano de Colider abrange 52,06% da bacia com a malha concentrada em sua margem esquerda. Contudo, é possível verificar a expansão sentido cabeceiras com mudanças de ocupação e uso - do agropecuário para o residencial -, bem como novos loteamentos a jusante

Biografia do Autor

Gustavo Roberto dos Santos Leandro, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Programa de Pós-Graduação em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT Campus de Presidente Prudente

Andressa Damas Machado, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia, Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Colider, Mato Grosso

Claudete Silveira Damas Machado, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia, Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Colider, Mato Grosso

Ronilson de Araújo, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia, Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Colider, Mato Grosso

Referências

BARROS, R. V. G. Bacia hidrográfica do córrego André, Mirassol D’Oeste - MT: aspectos socioambientais. 97 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2010.Disponível em: <http://www.unemat.br/prppg/ppgca/teses/2010/011.pdf> Acesso em: 19 de nov. de 2016

BARROS, R. V. G.; SOUZA, C. A. Uso do solo da sub-bacia do córrego André e qualidade da água em Mirassol D'Oeste – MT. Revista de Geografia (UFPE), Recife, v. 30, n. 1, p. 55-72, 2013. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/revistageografia/index.php/revista/article/viewArticle/467> Acesso em: 19 de nov. de 1016.

BARTALINI, V. Os córregos ocultos e a rede de espaços públicos urbanos. Revista USP: 2004. Disponível em:< www.revistas.usp.br/posfau/article/view/43387> Acesso em: 19 de nov. de 2016.

CALHEIROS, R. de Oliveira et al. Preservação e recuperação de nascentes. Piracicaba: Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios PCJ - CTRN, 2004. Disponível em: http://www.jorgeamaro.com.br/nascentes.pdf>Acesso em: 11 dez de 2016.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia fluvial. In; ____ Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CRUZ, J. S. Ordenamento territorial urbano e suas implicações nos canais de drenagem em Cáceres – Mato Grosso. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2013.

CUNHA, S. B. Rios desnaturalizados. In: BARBOSA, J. L.; LIMONAD, E. (Orgs). Ordenamento territorial e ambiental. Niterói – RJ: Editora da UFF, 2013, p. 171-191.

FERREIRA, I. M. Aspectos geomorfológicos e paisagísitco das veredas. In: VI Simpósio nacional de Geomorfologia/Regional Conference on Geomorphology

Geomorfologia Tropical e Subtropical: processos, métodos e técnicas/ Tropical and Subtropical Geomorphology: processes, metheds and techniques. Goiás 6 a10 de setembro de 2006/ Brasil, Goiânia GO, september 6-10, 2006. Disponível em: <http://www.labogef.iesa.ufg.br/links/sinageo/articles/114.pdf> Acesso em: 27 nov. de 2016.

GUERRA, A. J. T.; MARÇAL, M. dos S. Geomorfologia Ambiental – Conceitos, Temas e Aplicações. In:________ Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006

JORGE, M. do C. O. Geomorfologia Urbana: conceitos, metodologias e teorias. In: GUERRA, A. J. T. (org). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

OLIVEIRA, É. D. de; VESTENA, L. R. Alterações na morfologia de canais fluviais na área urbana de Guarapuava (PR). In: Ambiência Guarapuava (PR) v.8 Ed. Especial - 1 p. 757 - 773 Novembro 2012 ISSN 1808 – 0251. Disponível em: < http://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/2062/1793> Acesso em:19 de nov.de 2016.

PAULA, I. F. M. de; FERREIRA, C. de C. M. Análise dos espaços de uso público da cidade de Juiz de Fora (MG) com base no conceito de áreas verdes. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 15, n. 49 Mar/2014 p. 160–174. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/>Acesso em: 19 de nov. de 2016

PIRES, E.; ANDRADE, L. N. P. da S.; SOARES, J. C. O.; LEANDRO, G. R. dos S. Impactos Ambientais na margem direita do rio Jauru no bairro Beira Rio, Porto Esperidião – Mato Grosso. Revista Brasileira de Geografia Física. Recife, v.07, n. 03, 2014, p. 540-557. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/view/778/573>Acesso em: 18 de nov.de 2016.

POLETO, C. Alterações morfológicas em um canal fluvial urbano no contexto antrópico, social e ambiental: um estudo de caso. Acta Scientiarum. Technology Maringá, v. 33, n. 4, p. 357-364, 2011. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciTechnol/article/view/8288>Acesso em: 18 de nov. de 2016.

POLIVANOV, H.; BARROSO, E. V. Geotecnia Urbana. In: GUERRA, A. J. T. (org.). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

RABELO, A. P. C. et al. Plataforma GeoPantanal: uma ferramenta para a conservação ambiental. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 5. Campo Grande-MS, 2014. Anais, 2014. Embrapa Informática Agropecuária/INPE, 22-26 de novembro 2014. P. 756-763. Disponível em:<https://www.researchgate.net/publication/2856513_Plataforma_GeoPantanal_uma_ferramenta_para_a_conservacao_ambiental>. Acesso em: 12 dez. 2016.

SANDER, C.; WANKLER, F. L.; EVANGELISTA, R. A. de O.; SANTOS, M. L. dos; FERNANDES, O. V. Q. Intervenções antrópicas em canais fluviais em áreas urbanizadas: rede de drenagem do Igarapé Caranã, Boa Vista – RR. Acta Geográfica, Boa Vista, v. 6, n.12, mai./ago. de 2012. p. 59-84. Disponível em: <http://revista.ufrr.br/actageo/article/view/900> Acesso em: 11 de dez de 2016.

SANTOS, L. Pluviosidade, impactos naturais, percepção humana e as inundações em Cáceres/MT-1971 a 2010. 2013. 133 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, Cuiabá, 2013.

VIEIRA, V. T.; S. B., CUNHA. Mudanças na morfologia dos canais urbanos: alto curso do rio Paquequer, Teresópolis – RJ (1997/98 – 2001). Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 03-22, 2008. Disponível em: < http://www.ugb.org.br/home/artigos/RBG_9.1/Artigo%2001.pdf> Acesso em: 19 de nov. de 2016.

SZTUTMAN, P. Análise da qualidade posicional das bases do Google Maps, Bing Maps e da Esri para referência espacial em projetos em SIG: aplicação para o município de São Paulo. 2014. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) - Escola Politécnica, University of São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em:. Acesso em: 12 dez. 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental