Dinâmica erosiva de processos tropicais: três décadas da erosão Chitolina

Autores

  • Karla Maria Silva de Faria Universidade Federal de Goiás
  • Gervásio Barbosa Soares Neto Instituto Federal de Brasília
  • João Vitor Silva Costa Universidade Federal de Goiás
  • Manuel Eduardo Ferreira Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1895

Palavras-chave:

Voçoroca Chitolina. Degradação do solo. Mapeamento. VANT

Resumo

A erosão Chitolina, destaca-se em Goiás por apresentar dinâmica evolutiva complexa e ser a maior erosão no lado goiano na emblemática bacia do Araguaia. Em regiões agrícolas, o monitoramento da evolução desses processos é fundamental para as estratégias de projetos de recuperação. O objetivo do trabalho foi avaliar à dinâmica erosiva evolutiva da erosão Chitolina, considerando os dados do cadastro do processo erosivo realizado em 1998 e a realização de campo com uso de veículo aéreo não tripulado (VANT) em 2016. Os resultados constaram que o processo encontra-se estabilizado com ausência de desenvolvimento remontante, abertura de novas ramificações, o leito da erosão está sendo entulhado com material que se rompe dos taludes e não há curso definido de drenagem; alguns piping na porção média da feição. A utilização do VANT no mapeamento e monitoramento desses processos otimiza recursos físicos e humanos no cadastro e dados automatizados facilmente validados em campo. 

Biografia do Autor

Karla Maria Silva de Faria, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Geomorfologia, Pedologia e Geografia Física/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Gervásio Barbosa Soares Neto, Instituto Federal de Brasília

Instituto Federal de Brasília, Campus Riacho Fundo.

João Vitor Silva Costa, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Manuel Eduardo Ferreira, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, 

Universidade Federal de Goiás. Bolsista de produtividade pelo CNPq.

Referências

BOULET, R. (2001). Relatório de Consultoria referente à primeira fase dos estudos realizados para a recuperação da voçoroca Chitolina, município de Mineiros –GO (Julho 2000/março 2001) (entregue à Fundação Emas).

CABACINHA, C. D.;CASTRO, S. S. Relationships between floristic diversity and vegetation indices, forest structure and landscape metrics of fragments in Brazilian Cerrado. Forest Ecologyand Management, v. 257, p. 2157-2165, 2009.

CARVALHO, J.C.; Melo, M.T.S. A erosão à luz da legislação ambiental. Carvalho, J.C.; Sales, M.M.; Souza, N.M.; Melo, M.T.S., (org.). In: Processos erosivos no centro oeste brasileiro, Brasília, editora Finatec, 2006. P. 1-37.

CASTRO, S.S. Erosão hídrica na alta bacia do rio Araguaia: distribuição, condicionantes, origem e dinâmica atual. Revista do Departamento de Geografia, 17: 38-60, 2005.

CASTRO, S.S.; BARBALHO, M.G.S.; MARINHO, G.V.; CAMPOS, A.B.; SALOMÃO, F.X.T.; VECHIATTO, A. Condicionantes hidrológicos, geomorfológicos, pedológicos e de uso e manejo dos solos na circulação hídrica e processos de voçorocamento na alta bacia do rio Araguaia (GO/MT). In: COUTO, E. G.; BUENO, J. F. (Eds.). Os (Des) caminhos do uso da água na agricultura brasileira. Cuiabá: Ed. UFMT/SBCS, p.408-448.2004

CASTRO, S.S.; XAVIER, L.S. (2004) Plano de controle de erosão linear das nascentes dos rios Araguaia e Araguainha. SEMARH-GO. Projeto de Recomposição Ambiental das Nascentes do Araguaia. Goiânia (no prelo). CASTRO, S.S.; COOPER, M.; SANTOS, M.C.; VIDALTORRADO, P. (2003) Micromorfologia de solos: bases e aplicações. In: Tópicos em Ciência do Solo, 3, SBCS, Viçosa, v. 3: 107-164.

CASTRO, S.S.; XAVIER, L.S.; BARBALHO, M.G.S. Atlas Geoambiental das Nascentes do rio Araguaia e Araguainha. SEMARH-GO. Projeto de Recomposição Ambiental das Nascentes do Araguaia. Goiânia.2004

CENTRAIS ELÉTRICAS DE GOIÁS – CELG. Levantamento de campo para elaboração de projeto de recuperação das voçorocas. Rel. Técnico final do Projeto recuperação Ambiental das Nascentes do Araguaia. 1998.

D’OLEIRE-OLTMANNS, S. et AL. Unmanned Aerial Vehicle (UAV) for monitoring soil erosion in Morocco. Journal Remote Sensing, v. 4, p. 3390-3416, 2012.

FAO and ITPS.Status of the World’s Soil Resources (SWSR) – Main Report.Food and Agriculture Organization of the United Nations and Intergovernmental Technical Panel on Soils, Rome, Italy, 2015.

FARIA, K. M. S. de; CASTRO, S. S. Uso da terra e sua relação com os remanescentes de cerrado na alta bacia do rio Araguaia (GO,MT e MS). Geografia (Rio Claro), v. 32, p. 657-668, 2007.

FUNDAÇÃO EMAS. Projeto Recomposição Ambiental das Nascentes do Araguaia, Mineiros, 1998, 4p

GOMES, M.A.F; FILIZOLA, H.F. BOULET, R. Gênese e evolução da voçoroca Chitolina. IN: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/agricultura_e_meio_ambiente/arvore/CONTAG01_61_210200792814.html acessado em 30 de outubro de 2016.

GUERRA A.J.T. O início do processo erosivo. In: GUERRA, A.J.T; SILVA, A. S; BOTELHO, R.G.M; (org.). Erosão e conservação dos solos conceitos, temas e aplicações. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2005. P. 17-50.

HELFER, F; LOPES, F; RISSO, A; BELTRAME, L; MERTEN, G. Estimativa da perda de solo por erosão laminar na bacia hidrgráfica do rio Cuiabá usando técnicas de geoprocessamento. XV Simpósio Brasieiro de Recursos Hídricos. 2003

INFANTI, N.J; FORNASARI, N.F. Processos de dinâmica superficial. In: OLIVEIRA, A.M.S; BRITO; S.N.A (ed.). Geologia de engenharia. São Paulo, CNPQ e FAPESP, 1998. 131-136 p.

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. São Paulo, editora Oficina de Textos, 2002. 177p.

MARTINS, E. O.; SOUZA, N. M. de.; SALES, M. M.; NASCIMENTO, M. A. L. S. do.; OLIVEIRA, M. de F. M. Cadastro de erosões. In: CAMAPUM de CARVALHO, J.; SALES, M. M.; SOUZA, N. M. de.;

MELO, M. T. da. S. (Org.). Processos Erosivos no Centro-Oeste Brasileiro. Brasília: FINATEC, 2006. Cap. 5, p. 193-220.

MOURA, I. B. ; SHIRAIWA, S. . Caracterização da superfície piezométrica em uma vertente na Alta Bacia do Rio Araguaia com métodos geofísicos. In: XIV Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo e da Água, 2002, Cuiabá. Resumos da XIV Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo e da Água. Cuiabá: EdUFMT, 2002. p. 33.

SALOMÃO, X. F. Controle e Prevenção dos Processos Erosivos. In: Guerra, A. T. Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil,1999.

SHIRAIWA, S. ; MOURA, I. B. ; PORSANI, J. L. . O uso do GPR para estudo de estruturas pedológicas de uma vertente relacionada com uma vossoroca na Alta Bacia do Rio Araguaia-GO. In: Eighth International Congress of The Brazilian Geophysical Society, 2003, Rio de Janeiro. Eighth International Congress of The Brazilian Geophysical Society - Anais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Geofísica, 2003. p. 1-6.

SILVA R. A. A da. Arenização/Desertificação no Setor Sul da Alta Bacia do Rio Araguaia (GO/MT): distribuição e fatores condicionantes de formação dos areais. 2006. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

SILVA, A.S.; BARBALHO, M.G.S.; CASTRO, S.S. Análise comparada de formas de ocorrências erosivas lineares utilizando diferentes resoluções com imagem Landsat TM 5 e 7. Anais do IX Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Recife. 2001

TRINDADE, S. P. Aptidão agrícola, mudanças de usos dos solos, conflitos e impactos diretos e indiretos da expansão da cana-de-açúcar na região sudoeste goiano. 2015. 187 f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental