Índice de cobertura vegetal através do NDVI na microbacia Do Riacho Flamengo, Garanhuns-PE

Autores

  • Elaynne Mirele Sabino de França Universidade Federal de Sergipe
  • Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1899

Palavras-chave:

Vegetação. NDVI. Microbacia

Resumo

O objetivo da pesquisa foi identificar e traçar um comparativo multi-temporal do grau de cobertura vegetal na microbacia do Riacho Flamengo em Garanhuns, Pernambuco. Através da aplicação do Índice de Vegetação da Diferença Normalizada (NDVI) pode ser espacializado e quantificado o índice representado pela intensidade, variando de alta, média e baixa, tendo como apoio as ferramentas do geoprocessamento. Para isso tomou os anos de 1991, 2000 e 2010 para traçar um comparativo multi-temporal. O desmatamento tem firmado sua concretização no espaço, onde a microbacia possui menos de 30% da sua área com vegetação. De modo significativo a variável correspondente a média tem predominância em relação as outras, sabendo que depõe sobre vegetação de porte mediano caracterizada por fragmentos dispersos, agricultura e pastagem, estando acima de 50% da área. A degradação do ambiente pressupõe do desmatamento.

Biografia do Autor

Elaynne Mirele Sabino de França, Universidade Federal de Sergipe

Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Sergipe.

Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto, Universidade Federal de Sergipe

Professora do programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Sergipe.

Referências

BOTELHO, R. G. M. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. In: GUERRA, A. J. T. SILVA, A. S.

BOTELHO, R. G. Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações (org.). 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015. p. 269-300.

CARVALHO, R. G. Sistemas ambientais e desmatamento na região da bacia hidrográfica do rio Apodi-Mossoró/RN. Revista da ANPEGE, v.8, n.9, jan/jul, 2012. p. 107-118.

D’ALGE, J. C. L. Cartografia para geoprocessamento. In: CÂMARA, G.; DAVIS, C.; MONTEIRO, A. M. V. Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos, INPE, 2001 (on-line, 2a. edição, revista e ampliada).

DREW, D. Processos interativos homem-meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1995.

JESEN, J. R. Sensoriamento remoto da vegetação. In: JESEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. São José dos Campos, SP: Parêntese, 2009.

LOURENÇO, Ronaldo Mendes. Diagnóstico físico-conservacionista como aporte para a análise da degradaçãono médio curso da Bacia Hidrográfica do Rio Aracatiaçu (CE). 2013. 170 f. Dissertação (Mestrado) no Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

MELO, E. T; SALES, M. C. L; OLIVEIRA, J. G. B. Aplicação do índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI) para análise da degradação ambiental na microbacia hidrográfica do riachos dos cavalos, Crateús-CE. RA`E GA Departamento de Geografia – UFPR, Curitiba, v.23, 2011 p. 520-533.

NOVO, E. M. L. M. Sistemas orbitais. NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. 4ª ed. São Paulo: Blucher, 2010. p. 159-238.

PONZONI, F. J. SHIMABUKURO, Y. E. KUPLICH, T. M. Sensoriamento Remoto da Vegetação. 2ª ed. Revisada e ampliada. São Paulo: Oficina de Textos, 2012.

PINHEIRO, R. A. B. Análise do processo de degradação/desertificação na bacia do Riacho Feiticeiro, com base no DFC, município de Jaguaribe-Ceará. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado) no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente – PRODEMA, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental