Estudo físico e morfológico de solos encontrados em áreas de risco na cidade de Caratinga – Minas Gerais

Autores

  • Natália dos Santos Campos Instituto de Tecnologia de Caratinga
  • Anna Paula Lage de Oliveira Instituto de Tecnologia de Caratinga
  • Leonardo Amorim Sathler Instituto de Tecnologia de Caratinga
  • Janderson Garcial Silva Instituto de Tecnologia de Caratinga

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1925

Palavras-chave:

Crescimento urbano. Análise social. Geotecnia

Resumo

O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise social, geotécnica (ABNT NBR 6459 e 7180) e morfológica de amostras de solo das áreas de risco presentes nos bairros Dr. Eduardo e Esperança, Caratinga (MG). Dentre os principais resultados obtidos foram:  limite máximo de liquidez foram respectivamente 44% e 17% para dois locais estudados, já o limite de plasticidade foram 23% e 23.5% respectivamente.  As características morfológicas são principalmente as cores (7.5YR 4/6, úmido), (7.5YR 5/6, seco) e (7.5YR 4/6, úmido), (7.5YR 5/8, seco), os dois locais possuem textura argilo-arenosa e textura pegajosa. Estes resultados indicaram que existe boa correlação entre instabilidade dos solos destas áreas. Os valores obtidos mostraram que o modelo utilizado pelo estudo é altamente confiável. O tipo de solo influi fortemente pela variação e o manejo inadequado destas áreas, em comparação com outros trabalhos utilizando este mesmo método de estudo. 

Biografia do Autor

Natália dos Santos Campos, Instituto de Tecnologia de Caratinga

Discente no Instituto de Tecnologia de Caratinga – ITC, Rede de Ensino DOCTUM,

Anna Paula Lage de Oliveira, Instituto de Tecnologia de Caratinga

Discente no Instituto de Tecnologia de Caratinga – ITC, Rede de Ensino DOCTUM,

Leonardo Amorim Sathler, Instituto de Tecnologia de Caratinga

Doscente no Instituto de Tecnologia de Caratinga – ITC, Rede de Ensino DOCTUM

Janderson Garcial Silva, Instituto de Tecnologia de Caratinga

Discente no Instituto de Tecnologia de Caratinga – ITC, Rede de Ensino DOCTUM,

Referências

ALMEIDA, G. P E VENTORINE, S. E. Mapeamento participativo de áreas de risco a movimento de massa no bairro Senhor dos Montes – São João Del-Rei, MG. Caderno de Geografia, v.24, n 1, 2014.

ALVES, G. S. Crescimento urbano e susceptibilidade ao deslizamento de encostas na microbacia do córrego São João, Caratinga-MG. Dissertação apresentada ai Centro Universitário de Caratinga, como parte das exigências do Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Sustentabilidade, para obtenção do Título de Magister Scientae, Caratinga, 2008.

CARMO, A. C., et al. Análise de Risco Ambiental à Erosão Gerada a partir de produtos de sensores remotos: MDE Topodata e Landsat 8. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 17., 2015, João Pessoa. João Pessoa: INPE, 2015, p. 5929-5934.

CORREA, R. V. Diagnóstico social da ocupação irregular em área de preservação permanente, localizada na região central do município de balneário Rincão/SC. 2013. 51f. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de bacharel em Geografia no curso de Geografia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, 2013.

DUTRA, V. A. S. Projeto de estabilização de taludes e estruturas de contenção englobando dimensionamento geotécnico e estrutural. Projeto de graduação apresentado ao curso de engenharia civil da escola politécnica, universidade federal do rio de janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de engenheiro. Rio de Janeiro, 2013.

DYMINSKI, A. S; Noções de estabilidade de taludes e contenções. Universidade Federal do Paraná, Notas de Aula, Estabilidade de Taludes. 28p, 2007.

GUIMARÃES, F.B.; SANTOS, F.P.; DUARTE, A.B.; CARVALHO, R.M.; SANTOS, ; FERRAZ, C.M.L. A ocupação urbana e o planejamento ambiental: um estudo de caso em Teófilo Otoni – Minas Gerais.

REVISTA GEONORTE, Edição Especial 4, v.10, n.1, p.41- 45, 2014.

HOLZ, Sheila; MONTEIRO, Tatiana Villela de Andrade. Política de habitacão social e o direito a moradia no Brasil. Diez años de cambios en el Mundo, en la Geografía y en las Ciencias Sociales, 1999-2008. Actas del X Coloquio Internacional de Geocrítica, Universidad de Barcelona, 26-30 de maio de 2008. (http://www.ub.es/geocrit/-xcol/158.htm). Acesso em 20 de jan. de 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2013 (http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=311340) Acesso em 20 de jan. de 2017.

JACOBI, P. Dilemas socioambientais na gestão metropolitana: do risco à busca da sustentabilidade urbana. Política & Trabalho. Revista de Ciências Sociais n. 25 Outubro de 2006 - p. 115-134.

KUMAR, R.; ANBALAGAN, R. Landslide susceptibility zonation of Tehri reservoir rim region using binary logistic regression model. Current Science. v. 108, n. 9, 2015.

MARAGON, M. Estabilidade de Taludes. Tópicos Em Geotecnia e Obras de Terra, Unidade 4, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2009.

NASCIMENTO, S. P. G., et al. Os riscos ambientais ocasionados pela ocupação irregular na comunidade Vila Emater II, Maceió – AL. Revista Geonorte, Edição Especial, v.1, n.4, p.929 – 937, 2012.

RODRIGUES, B. T.; CALHEIROS, S. Q. C.; MELO, N. A. Potencial de movimento de massa no município de Maceió-Alagoas. Geo UERJ , a. 15, nº. 24, v. 1, 2013.

SCHAFFER, W. B; ROSA, M. R; AQUINO, L. C. S.; MEDEIROS, J. de D. Áreas de Preservação Permanente e Unidades de Conservação & Áreas de Risco. O que uma coisa tem a ver com a outra? Relatório de Inspeção da área atingida pela tragédia das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro. Brasília: MMA, 2011. 96 p. (Série Biodiversidade, 41)

SPINK, M. J. P. Viver em áreas de risco: tensões entre gestão de desastres ambientais e os sentidos de risco no cotidiano. Revista Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, v.19, n.9, p. 3743-3754, 2014.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens