Análises químicas, físicas e mineralógicas de solo em distintos sistemas na região da Toca da Onça, Distrito de Lumiar – Nova Friburgo/RJ

Autores

  • Bruno de Souza Mattos Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Luiz Carlos Bertolino Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1935

Palavras-chave:

Sistema agroflorestal. Manejo. Propriedades do solo. Conservação

Resumo

No distrito de Lumiar – Nova Friburgo/RJ, técnicas agrícolas tradicionais como o pousio, ou relativamente recentes como os Sistemas Agroflorestais (SAF) são usadas como forma minimizar os impactos da agricultura sobre o solo, buscando sua melhor conservação. O objetivo geral deste estudo é determinar a composição química, física e mineralógica das camadas superficiais do solo em distintos sistemas (Pousio, Sistema Agroflorestal, Pasto e Floresta), tendo sido coletadas amostras de solo nas profundidades 0-5 e 5-10 cm. A classificação textural do solo em todos os sistemas encontra-se na classe franco-arenosa, com exceção do solo do pasto, classificado como franco-argilo-arenoso. A densidade aparente evidencia que o solo do Pasto é o mais compactado com valor próximo a 1,3 g/cm³. No Sistema Agrofloresta foram encontrados os maiores valores de macroporosidade no solo (25%). Neste sistema a mineralogia da fração argila é composta basicamente por caulinita, haloisita, montimorilonita, ilita e gibbsita.

Biografia do Autor

Bruno de Souza Mattos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/FFP/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Ana Valéria Freire Allemão Bertolino, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/FFP/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Luiz Carlos Bertolino, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/FFP/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Referências

BERTOLINO, A.V.F.A.; BERTOLINO, L.C. Agricultura migratória e seus efeitos sobre o solo. In: CARNEIRO, M.J. et al. Agricultores e Territórios - práticas e saberes. Rio de Janeiro: Trasso Comunicação Ltda, 2010.

BRASIL. Lei nº 6.902 de 27 de abril de1981.

CANDIOTTO, L. Z. P.; CARRIJO, B. R.; OLIVEIRA , J. A. A Agroecologia e as agroflorestas no contexto da agricultura sustentável. In: ALVES, A. F; CARRIJO, B. R; CANDIOTTO, L. Z. P. Desenvolvimento Territorial e Agroecologia. São Paulo: Popular, 2008.

CASTRO, C. M.; PEIXOTO, M. N. O. P.; RIO, G. A. P Riscos Ambientais e Geografia: Conceituações, Abordagens e Escalas. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. Vol. 28-2/ p. 11-30, 2005.

CASTRO, O. M.; LOMBARDI NETO, F.; QUAGGIO, J. A.; MARIA, I. C.; VIEIRA, S. R. & DECHEN, S. C. F. Perdas por erosão de nutrientes vegetais na sucessão soja/trigo em diferentes sistemas de manejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 10: 181-308, 1986.

DANTAS, M.E. Geomorfologia do estado do Rio de Janeiro. Projeto Rio de Janeiro, Brasília, CPRM, 2000.

EMBRAPA. Amazônia Ocidental, Manaus, AM Brazil. 2009. LIMA, H. N.

gênese, química, mineralogia e micromorfologia de solos da Amazônia ocidental. Viçosa, 2001.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solos. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Rio de Janeiro, 1999, 370p.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia, processos ecológicos em agriculturas sustentáveis. UFRGS: Porto Alegre, 2001.

GOMES, I. S. L. Qualidade do solo sob uso Agroflorestal em Lumiar, Nova Friburgo-RJ. (Monografia) São Gonçalo: DEGEO – UERJ/FFP, 2009. 48p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico das cidades. Rio de Janeiro, 2010.

INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Plano de Manejo da Área de Proteção ambiental do Macaé de Cima. Rio de Janeiro, 2010.

KIEHL, E. J. Manual de Edafologia: relações solo-planta. São Paulo: Ceres, 1979. 262p.

LESSA, G. L. Sistemas Agroflorestais: Uma proposta para a produção da paisagem sustentável: Estação experimental do sítio Abaetetuba, Toca da Onça, Lumiar – Nova Friburgo – RJ. (Dissertação) Rio de Janeiro: Departamento de Geografia – PUC, 2013. 167p.

MIRANDA, J. P. L. de. Influência do Manejo nas Propriedades Físicas do Solo em Ambiente serrano: Paty do Alferes- RJ. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro / Departamento de Geografia. Monografia. 81 p. 2004.

OLIVEIRA, L. B. D. e PAULA, J. L. D. Determinação da umidade a 1/10 de atmosfera na terra fina pela “mesa de tensão”. EMBRAPA. Rio de Janeiro, 1983.

PRADO, H. Manejo dos solos: descrição pedológica e suas implicações. Campinas: Nobel, 1991.

RESENDE, M. et al. Pedologia: base para distinção de ambientes. 2 ed: Viçosa: NEPUT, 1997.

SALOMÃO, F. X. T. Controle e prevenção dos processos erosivos. In GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Organizadores). Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 339p.

SILVA, A. S. Análise Morfológica de solos e erosão. In GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Organizadores). Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 339p.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens