Uso de geoestatística na correlação entre graus de vulnerabilidade e fragilidade ambientais associados à intensidade pluviométrica e erosividade das chuvas em parte da região sudeste e centro-sul matogrossense

Autores

  • Alesson Pires Maciel Guirra Universidade Federal de Mato Grosso
  • Caio Augusto Marques dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2046

Palavras-chave:

Intensidade pluviométrica. Geoestatística. Vulnerabilidade. Mato Grosso

Resumo

A intensidade pluviométrica constitui-se numa variável climática importante para diagnósticos de vulnerabilidade e fragilidade ambientais, haja visto o seu potencial de erosividade, tornando-se necessário espacializar a forma de sua ocorrência numa determinada região. Objetiva-se identificar o interpolador geoestatístico que melhor espacializa as intensidades pluviométricas e, a partir dele, interpolar as demais variáveis: precipitação média mensal e anual, coeficiente de chuva e erosividade, com a finalidade de entender como estas se correlacionam na área de estudo. Verificou-se que o topo-to-raster se apresentou como o mais adequado na delimitação das isoetas, ajustando-se melhor aos compartimentos morfoesculturais e suas respectivas variações altimétricas, bem como a vulnerabilidade e a fragilidade apresentaram-se diretamente proporcionais a precipitações médias mensal e anual, enquanto que o coeficiente de chuva e a erosividade apresentaram padrões distintos, demonstrando que as equações condicionam contornos de isoetas que não se relacionam diretamente com as morfoesculturas existentes entre planaltos, depressões interplanálticas e planícies.

Biografia do Autor

Alesson Pires Maciel Guirra, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Mato Grosso – Campus Universitário de Rondonópolis

Caio Augusto Marques dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso

Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Mato Grosso – Campus Universitário de Rondonópolis.

Referências

CARVALHO, J. R. P., ASSAD, E. D., PINTO, H. S. Interpoladores geoestatísticos na análise da distribuição espacial da precipitação anual e de sua relação com altitude. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.47, n.9, p.1235-1242, set. 2012.

CREPANI, E; MEDEIROS, J. S; FILHO, P. H.; FLORENZANO, T. G; DUARTE, V; BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e Geoprocessamento aplicados ao zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos, SP, 103 p. 2001.

GUIRRA, A. P. M., SANTOS, C. A., NOGUEIRA, C. E. A evolução metodológica de fragilidade ambiental no Brasil e seu aspecto transdiciplinar. IV Simpósio Nacional sobre Pequenas Cidades. Cidades pequenas: dinâmicas, escalas e redes. Ituiutaba, Minas Gerais, Brasil, v.1, p. 1-17, 22 a 25 de Novembro de 2016.

LUCAS, T. P. B., PLEC, D., ABREU, M. L., PARIZZI, M. G. Identificação de interpoladores adequados a dados de chuva a partir de parâmetros estatísticos. Revista Brasileira de Climatologia (versão eletrônica). Ano 09, v.13, jul./dez 2013.

MARCUZZO, F. F. N., ANDRADE, L. R., MELO, D. C. R. Métodos de interpolação matemática no mapeamento de chuvas do estado do Mato Grosso. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 04, p.793-804, jan.2011.

MELLO, C. R., LIMA, J. M., SILVA. A. M., MELLO, J. M., OLIVEIRA, M. S. Krigagem e inverso do quadrado da distância para interpolação dos parâmetros da equação de chuvas intensas. Revista Brasileira de Ciências do Solo, v. 27: p. 925-933, 2003.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. In: Revista do Departamento de Geografia FFLCH – USP, n° 8, São Paulo, 1994.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. In: Revista do Departamento de Geografia FFLCH – USP, n° 6, São Paulo, 1992.

SALTON, J. C., COMUNELLO, E., FIETZ, C. R. Estimativa de índices de erosividade da chuva para o Estado de Mato Grosso. Emprapa Agropecuária Oeste. Dourados, MS. 1ª Edição (versão eletrônica). p.46, 2013.

SETTE, D. M. O Clima Urbano de Rondonópolis - MT. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Dissertação de Mestrado em Geografia Física. Universidade de São Paulo, 1996.

SOUZA, J. L. L. L., GOMES, T. S., DIAS, R. S., OLIVIERA, G. M. A., SANTOS, R. L. Avaliação de métodos de interpolação aplicados à espacialização das chuvas no território identidade Portal do Sertão / Bahia. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, Curitiba, PR, Brasil, p. 4295. 30 de abril a 05 de maio de 2011.

TRICART, J. Ecodinâmica. Secretaria de Planejamento da Presidência da República. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recursos Naturais e Meio Ambiente, 1, Diretoria Técnica, Rio de Janeiro, p.197,1977.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades