Aplicações geotecnológicas em estudos socioambientais: avaliação da fragilidade emergente na bacia hidrográfica do Rio Bubu (ES)

Autores

  • Vinícius Vieira Pontini Universidade Federal do Espírito Santo
  • Vitor Silva de Miranda Universidade Federal do Espírito Santo
  • André Luiz Nascentes Coelho Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2086

Palavras-chave:

Análise geográfica. Geotecnologias. Impactos socioambientais. Ordenamento. Gestão territorial

Resumo

Bacias hidrográficas são, em muitos casos, palco de impactos socioambientais atrelados a um mau ordenamento e a uma má gestão do território frente aos condicionantes físico-naturais. Desta forma, este artigo objetiva identificar as classes de Fragilidade Emergente na bacia hidrográfica do rio Bubu (ES). A metodologia consistiu no levantamento bibliográfico acerca da problemática, bem como na modelagem em ambiente SIG atrelada à técnicas e a produtos de Sensoriamento Remoto, com a validação do mapeamento realizada por meio de imagens oriundas de sítios eletrônicos e registros documentais.  Com o cálculo das áreas e os percentuais de cada classe de Fragilidade, foi possível colocar em xeque a problemática socioambiental da área. A metodologia empregada pode ser aplicada em outras áreas de bacias hidrográficas e até municípios, sendo uma importante ferramenta para tomadas de decisões, como o Plano de Gerenciamento de Bacia e o Plano de Drenagem Urbana.

Biografia do Autor

Vinícius Vieira Pontini, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo.

Vitor Silva de Miranda, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo.

André Luiz Nascentes Coelho, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Geografia, Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

ANA - Agência Nacional de Águas. Bacias hidrográficas do Atlântico Sul – Trecho Leste: sinopse de informações do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe, 2016. Disponível em: <http://hidroweb.ana.gov.br/cd4/index.htm>. Acesso em: 27 dez. 2016.

COELHO, A. L. N. Bacia Hidrográfica do Rio Doce (MG/ES): uma análise socioambiental integrada. Revista GeografarES, Vitória – ES, nº 7, 2009. p. 131-146.

CORRÊA, R. L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1990.

DEINA, M. A.; COELHO, A. L. N. Avaliação da Fragilidade Emergente na Bacia Hidrográfica do Rio Jucu. In: VI SINAGEO – Simpósio Nacional de Geomorfologia, 2016, Maringá (PR). Anais do XI SINAGEO – Simpósio Nacional de Geomorfologia, Maringá – PR, 2016, v. 1. p. 1-12.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. – Rio de Janeiro, Embrapa Solos, 2006. 306p.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

FORTES, P. De. T. F. de O.; et al. Carta geológica da folha SF-24-V-B-I Vitória, escala 1:100.000. CPRM. Programa Geologia do Brasil. Brasília, 2014.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapas interativos do IBGE: Base de Dados Geográficos, 2015. Disponível em: <http://ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 20 dez. 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapeamento topográfico – produtos. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/download/arquivos/index1.shtm>. Acesso em: 20 dez. 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resolução IBGE nº 1/2005 que altera a caracterização do referencial geodésico brasileiro, passando a ser o SIRGAS-2000, 2005. Disponível em: < http://geoftp.ibge.gov.br/documentos/geodesia/projeto_mudanca_referencial_geodesico/legislacao/rpr_01_27dez2016.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2016.

IEMA – Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Bacias hidrográficas de gerenciamento, 2010.

IJSN/CGEO – Instituto Jones dos Santos Neves / Coordenação de Geoprocessamento. Base de dados geográficos. Disponível em: <http://www.ijsn.es.gov.br/> 2013. Acesso em: 20 dez. 2016.

INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Catálogo de imagens OLI/Landsat 8. Disponível em: <http://www.dgi.inpe.br/cdsr/>. Acesso em: 20 dez. 2016.

RADAMBRASIL. Levantamento de Recursos Naturais: Geologia, Geomorfologia, Solos, Vegetação e Uso Potencial da Terra. v. 32, Folhas SF 23/24 Rio de Janeiro / Vitória. Rio de Janeiro: IBGE/Ministério de Minas e Energia – Secretaria Geral. 1983. 775 p.

RIO Bubu transborda e alaga vários bairros de Cariacica. Gazeta On Line, Vitória, 19 mar. 2013. Disponível em: <http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/03/cbn_vitoria/entrevistas/1421683-rio-bubu-transborda-e-alaga-varios-bairros-de-cariacica.html>. Acesso em: 21 dez. 2016.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 8, 63 – 74 p. 1994.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento, planejamento ambiental e paradigmas de desenvolvimento. In: Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

USGS – United States Geological Survey. Earth Explorer. Shuttle Radar Topography Mission – SRTM (SRTM1S21W041V3 publication: 23-SEP-14). Disponível em: <https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 20 dez. 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física