A cartografia tátil e a plotter CNC à laser: uma possibilidade de inclusão

Autores

  • Érika Medina de Medeiros Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Hanna Aimée da Fraga Gonçalves Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Gustavo Mota de Sousa Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Delson Lima Filho Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2361

Palavras-chave:

Topodata. Maquete. Mapa tátil. Ensino de Geografia

Resumo

Segundo o Ministério da Educação (MEC) a Educação deve ser Para Todos, entretanto, observa-se justamente o contrário quando se trata de crianças com necessidades educativas específicas. Tais crianças encontram dificuldades para estudar devido o precário auxilio sócio pedagógico antes e durante a sua estada na escola seja pela falta de profissionais seja pela escala de profissionais despreparados para o trabalho. Devido a isto, o professor se torna o responsável por desenvolver a inclusão das crianças com necessidades específicas dentro e fora da sala de aula, facilitando, deste modo, o processo de aprendizagem das mesmas. Neste trabalho abordaremos apenas as crianças cegas e com baixa visão no intuito de propor uma nova metodologia de ensino da Geografia Física para elas a partir da utilização de imagens adquiridas através do Projeto Topodata, donde foi possível retirar as curvas de nível dos três principais maciços da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (Gericinó-Mendanha, Pedra Branca e Tijuca) e, após algumas etapas, torná-los concretos na forma de uma maquete geomorfológica tátil impressa na ferramenta Plotter CNC à Laser. Com a maquete pronta, o professor de geografia poderá trabalhar diversos conceitos da cartografia como escala, pontos cardeais ou localização com os alunos que, por sua vez, após o manuseio da mesma terão a possibilidade de formar cognitivamente a ligação entre o objeto em suas mãos e os conceitos aprendidos em sala. Conclui-se, portanto que o professor, nesta metodologia de ensino (baseada na Cartografia Tátil), é a peça fundamental no desenvolvimento da inclusão e assim na construção de valores sociais como a cooperação e o respeito ao outro.

Biografia do Autor

Érika Medina de Medeiros, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Hanna Aimée da Fraga Gonçalves, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Gustavo Mota de Sousa, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Delson Lima Filho, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

ALMEIDA, Diones C. S., MELO, Adriany Á. O Ensino de Geografia para alunos com necessidades educacionais especiais: o caso dos alunos cegos e com baixa-visão. Instituto de Geografia (IG). Universidade Federal de Uberlândia, 2007.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases. Disponível em: <http://www.mec,gov.br/legis/pdf/LDB.pdf>. Acesso em: 30 de dezembro de 2016.

BRENDLER, Clariana Fischer; VIARO, Felipe Schneider; BRUNO, Fernando Batista; TEIXEIRA, Fábio Gonçalves e; SILVA, Régio Pierre. Recursos Didáticos táteis para auxiliar a aprendizagem de deficientes visuais. Ano 2014, v. 18, nº 03. ISSN 2179-7374.

GOLÇALVES, Hanna Aimée; MEDEIROS, Érika; SOUSA, Gustavo; FILHO, Delson; MENEZES, Paulo. Construção de maquetes do relevo para o ensino de Geografia Física: uma proposta para utilização de plotter de corte. XXXVIII Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica, Tecnológica, Artística e Cultural – JICTAC. 17-21 de outubro de 2016.

LOCH, Ruth E. N. Cartografia Tátil: Mapas para deficientes visuais. Portal da Cartografia. Londrina, v. 1, n.1, maio/ago., p. 35-56, 2008.

MEDEIROS, Érika; GONÇALVES, Hanna Aimée; SOUSA, Gustavo; SILVA, Renan. Cartografia Tátil: análise das diferentes possibilidades de estudos em Geografia. IV Semana de Pesquisa, Tecnologia e Inovação, IV Reunião Anual de Iniciação Científica da UFRRJ – IV RAIC. 12-22 de setembro de 2016.

MEDEIROS, Érika; GONÇALVES, Hanna Aimée; SOUSA, Gustavo; FILHO, Delson. Elaboração de Maquetes Geomorfológicas: Propostas para o ensino de Geografia Física. IV Semana de Pesquisa, Tecnologia e Inovação, IV Reunião Anual de Iniciação Científica da UFRRJ – IV RAIC. 12-22 de setembro de 2016.

MENEGUETTE, Arlete. Cartografia Inclusiva. GEOCART, Departamento de Cartografia. Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP – Campus de Presidente Prudente, 2012. Encontrado online via < https://www.academia.edu/8520393/Cartografia_Inclusiva> em 30 de dezembro de 2016.

OLIVEIRA, Cleomar G., JÚNIOR, Donarte N. S., LAHM, Regis A. Cartografia através de modelos táteis: uma contribuição ao ensino de deficientes visuais. Revista Educ. Espac., Santa Maria, v. 23, n. 37, p. 217-240, maio/ago., 2010.

VALERIANO, M. M. Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005, Goiânia, GO. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005. p. 1-8.

VALERIANO, M. M.; Rossetti, D. F.; Albuquerque, P. C. G. Topodata: desenvolvimento da primeira versão do banco de dados geomorfométricos locais em cobertura nacional. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2009, Natal, RN. Anais..., São José dos Campos, SP : INPE, 2009. v. CD-ROM. p. 1-8.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino