Abordagens pluviométricas sobre o sertão do Ceará como reflexo da desertificação/degradação ambiental

Autores

  • Pedro Ítalo Carvalho Aderaldo Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2393

Palavras-chave:

Barlavento. Sotavento. Pluviometria

Resumo

A área de estudo envolve o entorno do maciço de Pedra Branca, localizado no estado do Ceará. Parte dos municípios do entorno desse maciço apresentam significativas áreas degradadas, em especial os municípios de Independência e Tauá. O estudo estará embasado na discussão da comparação entre áreas a barlavento e sotavento deste maciço, fazendo abordagens da influência do relevo sobre a circulação atmosférica, bem como, sobre o processo de desertificação/degradação ambiental nos municípios a sotavento do relevo. O total pluviométrico é um dos principais critérios para a delimitação de áreas susceptíveis a desertificação. Neste sentido, quanto menor a precipitação maior sua vulnerabilidade ao processo. Portanto, é indispensável analisar o comportamento pluviométrico no entorno da área de estudo. Com esta pesquisa espera-se abordar as influências das dinâmicas ambientais, no processo da desertificação. 

Biografia do Autor

Pedro Ítalo Carvalho Aderaldo, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando em Geografia/Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BERTRAND, George. Paisagem e geografia física global. Esboço metodológico. In: R. RA´E GA, Curitiba, n. 8. . Editora UFPR. 2004.

CEARÁ. Programa de Ação Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca, PAE-CE. Fortaleza: Ministério do Meio Ambiente / Secretaria dos Recursos Hídricos, 2010.

CONTI, J.B. Desertificação nos trópicos - Proposta de metodologia de estudo aplicada ao Nordeste Brasileiro. São Paulo, USP, Departamento de Geografia. Tese de Livre Docência. 1995.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretária de Recursos Hídricos. Programa de ação nacional de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca: PAN-BRASIL. Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Código Florestal. Lei nº. 4771, 15 de Agosto de 1965. BRASÍLIA. José de Sena Pereira Junior. Câmara dos Deputados. Nova Delimitação do Semiárido Brasileiro. 2007.Disponível em:<http://bd.camara.leg.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/1604/nova_delimitacao_jose_pereira.pdf?sequence=3.>. Acesso em: 14 fev. 2017.

FUNCEME. Séries históricas pluviométricas. www.funceme.br. Acessado em: 05 de junho de 2016.

IBGE. Dados gerais do município. http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?lang=&codmun=221070&search=%7C%7Cinfogr%E1ficos:-dados-gerais-do-muni. Acessado em 01 de agosto de 2015.

IPECE. Listas dos Mapas. www2.ipece.ce.gov.br. Acessado em: 01 de junho de 2016.

NASCIMENTO, Flávio. R. Identificação de áreas susceptíveis à desertificação em bacia intermitente sazonal no semi-árido brasileiro. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia 29 (2, jul./dez). 2009.

SLIDESHARED. Sotavento e Barlavento. ptslideshared.net, Acessado em 15 de junho de 2016.

RODRIGUEZ, J. e SILVA, E. V. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. In: Revista Mercator, Vol. 1, No.1 (2002). Disponível:www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/viewArticle/198. Acessado em 12/10/2013 às 8h.

SOTCHAVA, V. B. O estudo dos geossistemas. Métodos em Questão. São Paulo, n. 6, 1977.

SOUZA, Marcos José Nogueira de. Contribuição ao Estudo das Unidades Morfoestruturais do Estado do Ceará. In: Revista de Geologia, v.1, p.73-91, edições Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 1988.

SOUZA, Marcos José Nogueira de. Bases naturais e esboço do zonemento geoambiental do Estado do Ceará. Fortaleza. Ed. FUNECE. 2000.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, Curitiba, 1997.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades