Cartografia geomorfológica na bacia do Ribeirão Caranguejo: subsídio para o estudo do relevo na Zona da Mata Mineira

Autores

  • Derik Ribeiro de Paiva Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Roberto Marques Neto Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2501

Palavras-chave:

Cartografia geomorfológica. Bacia hidrográfica. Planejamento

Resumo

A crescente pressão sobre os recursos ambientais impetrada pelo modelo econômico de produção atualmente vigente impõe a necessidade do desenvolvimento de subsídios ao planejamento das paisagens.Partindo da compreensão da cartografia geomorfológica como um aporte metodológico substancial não só para a Geomorfologia em si, como também para os demais campos do conhecimento científico que se ocupam do planejamento em suas distintas esferas de atuação, o presente artigo tem como objetivo geral a realização de um estudo do sistema geomorfológico da bacia hidrográfica do ribeirão Caranguejo, localizada na Zona da Mata Mineira, tendo como aporte a cartografia geomorfológica.Como metodologia adotou-se a proposta elaborada no âmbito do IBGE, cujo princípio básico trata-se da ordenação dos fatos geomorfológicos conforme uma classificação que leva em consideração aspectos temporais e espaciais, e que viabiliza a distinção dos modelados como unidade básica do relevo, bem como os grupamentos que mantém relações hierárquicas com essas unidades básicas. Dessa forma, foram identificados os tipos de modelados, sendo estes posteriormente diferenciados e caracterizados de acordo com fatores intrínsecos à sua natureza estrutural, litológica, pedológica, climática e morfodinâmica.

Biografia do Autor

Derik Ribeiro de Paiva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Juiz de Fora.

Roberto Marques Neto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento de Geociências, Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

AB´SÁBER, A.N. O domínio dos mares–de-morros no Brasil. Geomorfologia 2, IGEOG-USP, S. Paulo, 1966.

ARGENTO , M.S.F. ( 1 9 9 5 ) Mapeamento geomorfológico. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S.B. da (org.) Geomorfologia: Uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

COLTRINARI, L. Cartografia geomorfológica detalhada: a representação gráfica do relevo entre 1950 e 1970. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, número especial, p. 121–129, 2011.

CHRISTOFOLETTI, Antonio. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.

CUNHA, C. M. L.; MENDES, I. A.; SANCHEZ, M. C. A cartografia do relevo: Uma análise comparativa de técnicas para a gestão ambiental. Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, nº1, 2003. Disponível em:< http://ugb.org.br/home/artigos/SEPARATAS_RBG_Ano_2003/Revista4-1_Artigo01_2003.pdf>. Acesso em: janeiro de 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) – Fund. IBGE, Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Coordenação de Recursos Natural e Estudos Ambientais. Rio de Janeiro, 2012.

RADANBRASIL. Ministério de Minas e Energia (1983). Levantamento dos Recursos Naturais – Folhas SF 23/24 Rio de Janeiro/Vitória. Rio de Janeiro, v.32 (escala 1:1.000.000).

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. São Paulo, Contexto, 1991.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, FFLCH – USP, n.6, 1992.

TRICART, J. Principes et méthodes de l geomorphologie. Paris: Masson Ed., 1965.

VALVERDE, O. Estudo Regional da Zona da Mata, de Minas Gerais. Rio de Janeiro: IBGE, 1958.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos