Classificação taxonômica (terceiro táxon) do relevo em um setor dos distritos de Arroio Grande e Pains em Santa Maria, RS

Autores

  • Naijara Klafke Dalla-Lana Universidade Federal de Santa Maria
  • Rodrigo Correa Pontes Universidade Federal de Santa Maria
  • Cibele Stefano Universidade Federal de Santa Maria
  • Mauro Kumper Werlang Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2511

Palavras-chave:

Formas de relevo. Rede de drenagem. Erosão

Resumo

As formas ou os conjuntos de formas de relevo participam, em diferentes escalas, da composição geral do relevo. Nesse sentido, ao serem observadas num curto espaço de tempo se mostram com aparência estática. Porém, estão sendo continuamente trabalhadas por processos erosivos ou deposicionais. O propósito de estudar o relevo através das formas de modelado justifica-se no sentido de que a relação entre a erosão e a rede de drenagem é bastante estreita, permitindo qualificar a configuração da rede de drenagem como o resultado do trabalho erosivo. O relevo é um dos componentes do meio físico que apresenta grande diversidade de formas. Essas formas por mais que pareçam estáticas e iguais, são dinâmicas e manifestam-se no espaço de modo diferenciado face às combinações e interferências múltiplas dos demais componentes desse meio, podendo apresentar formas de acumulação, aplanamento e dissecação.              

Biografia do Autor

Naijara Klafke Dalla-Lana, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências/ Universidade Federal de Santa Maria.

Rodrigo Correa Pontes, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências /Universidade Federal de Santa Maria.

Cibele Stefano, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências /Universidade Federal de Santa Maria.

Mauro Kumper Werlang, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociências /Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

AYOADE, J. Introdução a climatologia dos trópicos. São Paulo-SP: Difel, 1986.

CRHISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo-SP: Edgard Blücher, 1980.

GUERRA, A.T. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 7 ed. Rio de Janeiro, RJ: FIBGE; 1987.

LIBAULT, A. Os quatro níveis da pesquisa geográfica. Métodos em Questão. nº 1 , São Paulo, SP:

IGEO/USP,1971.

ROCHA, J.S. M da. Manual de interpretação de aerofotogramas. Santa Maria, RS: DER-CCR/UFSM. 1986. Fascículo I. (publicação avulsa)

ROSS, J.L. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, SP: DGEO, n. 8, p. 63-74, 1994.

ROSS, J.L. Geografia do Brasil. São Paulo, SP: Edusp, 1996.

ROSS, J.L. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo, SP: Contexto, 2003.

VIEIRA, E.F. Rio Grande do Sul. Geografia física e vegetação. Porto Alegre, RS: Sagra, 1984.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos