Caracterização geomorfológica da bacia do rio Quilombo, RJ: esboço das influências geológicas e geomorfológicas no sistema de drenagem

Autores

  • Rodrigo Wagner Paixão Pinto Pontifícia Universidade Católica
  • Stephany Emiliane Lopes Silva Pontifícia Universidade Católica
  • Raphaela Almeida de Souza Pontifícia Universidade Católica
  • Marcelo Motta de Freitas Pontifícia Universidade Católica

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2523

Palavras-chave:

Ribeirão do Quilombo. Sistemas de drenagem. Condicionantes geológicos e geomorfológicos

Resumo

O presente trabalho objetiva analisar os condicionantes geológicos e geomorfológicos na configuração do sistema de drenagem da bacia do Ribeirão do Quilombo. A bacia do Ribeirão do Quilombo localiza-se no Planalto Sudeste Brasileiro abrangendo parte de 3 municípios, da região serrana do estado do Rio de Janeiro, sendo eles: Carmo, Duas Barras e Cantagalo. Foi utilizada a bacia de drenagem como unidade de escala, uma vez que, no entendimento dos processos hidrológicos e erosivos, a bacia de drenagem constitui-se na unidade de análise da paisagem e, a partir dela, foram desenvolvidos os mapeamentos e análises. Os lineamentos estruturais predominantes na bacia em estudo estão orientados, principalmente, para NW, contudo são observados lineamentos em outras direões, em especial, para NE. Esta característica influencia na orientação da rede de drenagem, cujos canais principais ocorrem em vales alargados para NE, com presença de alvéolos sedimentares.

Biografia do Autor

Rodrigo Wagner Paixão Pinto, Pontifícia Universidade Católica

Departamento de Geografia/PUC-Rio.

Stephany Emiliane Lopes Silva, Pontifícia Universidade Católica

Departamento de Geografia/PUC-Rio.

Raphaela Almeida de Souza, Pontifícia Universidade Católica

Departamento de Geografia/PUC-Rio.

Marcelo Motta de Freitas, Pontifícia Universidade Católica

Departamento de Geografia/PUC-Rio.

Referências

AB’SABER, A. N. O problema das conexões antigas e da separação da drenagem do Paraíba e do Tietê. Geomorfologia 26. São Paulo, Instituto de Geografia da USP, p. 38-49. 1957.

BIGARELLA, J.J. & MEIS, M.R. M. Considerações a respeito dos terraços fluviais, rampas de colúvios e várzeas. Boletim Paranaense de Geografia, Curitiba. 16/17: 153-197, 1965.

CHEREM, L. F. S.; VARAJÃO, C. A. C.; BRAUCHER, R.; BOURLÉS, D.; SALGADO, A. A.; VARAJÃO, A. C. Long-term evolution of denudational escarpments in southeastern Brazil. Geomorphology. v. 173-4. p. 118-27. 2012.

CHRISTOFOLETTI, A. Considerações sobre o nível de base, rupturas de declive, capturas fluviais e morfogênese do perfil longitudinal. Geografia, 2 (4), p. 81-102. 1977.

COELHO NETTO, A.L. Hidrologia de Encostas na Interface com a Geomorfologia. In: GUERRA, A.J.T. e CUNHA,S.B. (Org.). Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, pp. 93-148. 1994.

FERRARI, A. L. Evolução tectônica do Gráben da Guanabara. Tese (Doutorado), Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.p.412. 2001.

HEILBRON,M., PEDROSA-SOARES,A.C., CAMPOS NETO,M.C., SILVA,L.C., TROUW, R.A.J.; JANASI,V.A., Província Mantiqueira. In: MANTESSO-NETO,V. BARTORELLI,A., CARNEIRO,C.D.R. e BRITO-NEVES,B.B., Orgs. Geologia do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo, Ed. Beca, p.203-236. 2004.

LEOPOLD, L. B.; WOLMAN, M. G.; MILLER, J. P. Fluvial Processes. In Geomorphology. San Francisco. W. H. Freeman Co, 1964. p. 522.

LUMBRERAS, J. F. (Org) Zoneamento Agroecológico do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento; n. 33. 2003.

MEIS, M.R.M. & MONTEIRO, A.M.F. Upper Quaternary rampas: Doce rivervalley, SE Brazilian Plateau. Zeit. Geomorph., 23: 132- 151. 1979.

MIRANDA, E. E. de; (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>. Acesso em: 15 jun. 2013.

MOURA, J. R. S.& MEIS, M. R. M. Litoestratigrafia preliminar para os depósitos de encosta do Quaternário Superior do Planalto SE do Brasil (MG-RJ). Rev. Bras. Geoc.,10(4):258-267. 1980.

OLIVEIRA, D. A captura do Alto Rio Guaratuba: uma proposta metodológica para o estudo da evolução do relevo na Serra do Mar, Boracéia-SP. 105f.+anexos. Tese (Doutorado) – Departamento de Geografia-FFLCH-USP, São Paulo. 2003.

PASA, VANIZA. Estudo da Conexão entre as drenagens do Médio Paraíba do Sul e do Alto Tietê: O caso do cotovelo de Guararema-SP, Brasil. Dissertação (Mestrado). Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 110 p. 2013

RICCOMINI, C.; GROHMANN, C. H.; SANT’ANNA, L. G.; HIRUMA, S. T. A Captura das Cabeceiras do Rio Tietê pelo Rio Paraíba do Sul. In: MONDENSEI-GAUTTIERI, M. C.; BARTORELLI, A. CARNEIRO, C. R. LISBOA, M. B. A. L. A Obra de Aziz NacibAb'Sáber. São Paulo: Beca-BALL edições, 2010.

SILVA, T.M. Evolução Geomorfológica e Sedimentação de Canais Erosivos Holocênicos no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, 165p. 1991.

SILVA, T.M.; MONTEIRO, H.S.; CRUZ, M.A.; MOURA, J.R.S. Anomalias de drenagem e evolução da paisagem no médio vale do rio Paraíba do Sul (RJ/SP). Anuário do Instituto de Geociências (Rio de Janeiro), v. 29, p. 210-224. 2006.

SILVA, T. M.; SANTOS, B. P. Sistemas de Drenagem e Evolução da Paisagem. Revista Geogr. Acadêmica v.4, n.1, 5-19. 2010.

TUPINAMBÁ, M.; TEIXEIRA, W.; HEILBRON, M. Evolução Tectônica e Magmática da Faixa Ribeira entre o Neoproterozoico e o Paleozoico Inferior na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. Vol. 35 - 2 , p.140-151. 2012.

ZALÁN, P. V.; OLIVEIRA, J. A. B. Origem e evolução estrutural do Sistema de Riftes Cenozóicos do Sudeste do Brasil. Boletim de Geociências Petrobras, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 269-300, maio/nov. 2005.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos