Análise de condicionantes físicos do horizonte A do Latossolo Amarelo como subsídio a compreensão de processos erosivos

Autores

  • Raphael Rodrigues Brizzi Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
  • Hugo Portocarrero Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Nadja Maria Castilho Costa Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Andréa Paula de Souza Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2579

Palavras-chave:

Uso e manejo do solo. Agregação. Propriedades físicas. Erosão

Resumo

O estudo em questão visa o entendimento dos processos erosivos em uma encosta a partir das propriedades físicas do horizonte superficial do Latossolo juntamente com o uso e a forma de manejo sobrejacente. Para tal, foi avaliado a distribuição granulométrica, porosidade total, densidade real e aparente, assim como, a estrutura do microagregado no MEV e a identificação dos elementos químicos através do EDS. As propriedades físicas apresentam valores intermediários, resultando em uma baixa erodibilidade do solo, sendo o MEV destacando qualitativamente uma estrutura fortemente compactada e o EDS destacando a presença de óxidos de Fe e Al – com destaque para a formação de argilominerais do tipo caulinita. Tais resultados expressam o entendimento da erosão laminar na encosta estudada, somado a dinâmica espaço temporal da ação do uso e do manejo do solo numa das regiões mais florestadas do Estado do Rio de Janeiro, sob o domínio da Mata Atlântica.

Biografia do Autor

Raphael Rodrigues Brizzi, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Hugo Portocarrero, Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Nadja Maria Castilho Costa, Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Andréa Paula de Souza, Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/ Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

ANTUNES, F. dos S.; CAMPOS, T. M. P. de.; POLIVANOV, H.; CALDERANO, S. B.; ANDRADE, A. G. de. Desenvolvimento de classes e unidades geo-pedológicas a partir da interação entre a pedologia e a geotecnia. Revista Luso-Brasileira de Geotecnia. n. 127, março de 2013, 61-79p.

BERTOLINO, A. V. F. A. Influencia do manejo na hidrologia de solos agrícolas em relevo forte ondulado de ambiente serrano: Paty dos Alferes - RJ. Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRJ. Rio de Janeiro, 2004. 169p

CPRM, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade/rjusosolo/usosolo_classes.pdf Último acesso em 11 de março de 2017.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 7.ed. São Paulo, Ícone, 2010. 355p.

BRONICK, C. J.; R. LAL. Soil structure and management: a review. Geoderma 124. p.3-22, 2005.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de métodos de análise de solo. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Mapa de reconhecimento de baixa intensidade dos Solos do estado do Rio de Janeiro. Ministério da Agricultura, pecuária e do Abastecimento, 2003.

GUERRA. A. J. T. O papel da matéria orgânica e dos agregados na erodibilidade dos solos. Anuário do Instituto de Geociências da UFRJ, 1990. V.13. p.43-52.

MALISKA, A. M. Microscópio Eletrônico de Varredura. Disponível em: http://www.usp.br/nanobiodev/wp-content/uploads/MEV_Apostila.pdf Acesso em 11 de março de 2017.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens