Síntese dos estudos climáticos e a distribuição da rede meteorológica no estado de Goiás e Distrito Federal

Autores

  • Gustavo Zen Figueiredo Neves Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos – Professor colaborador Universidade Estadual de Goiás.
  • Valdir Specian Professor da Universidade Estadual de Goiás
  • Thiago Rocha Mestrando Programa de Pós-Graduação em Geografia – Universidade Federal de Goiás/Jataí
  • Francisco Arthur da Silva Vecchia Professor Associado/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos,

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2583

Palavras-chave:

Chuvas. Monitoramento. Centro-Oeste

Resumo

Os diversos estudos climáticos que têm sido realizados nas últimas décadas, principalmente aqueles relacionados às chuvas tem se concentrado apenas em algumas das regiões brasileiras, principalmente no Sul, Sudeste e Nordeste. O objetivo deste trabalho é de apresentar uma síntese dos estudos climáticos e meteorológicos no Estado de Goiás e o Distrito Federal por meio de uma revisão crítica da literatura. Destaca‐se a importância na atualização do conhecimento climático do Estado de Goiás e Distrito Federal e as possibilidades que se ampliam para um futuro próximo.

Biografia do Autor

Gustavo Zen Figueiredo Neves, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos – Professor colaborador Universidade Estadual de Goiás.

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos – Professor colaborador Universidade Estadual de Goiás.

Valdir Specian, Professor da Universidade Estadual de Goiás

Professor da Universidade Estadual de Goiás

Thiago Rocha, Mestrando Programa de Pós-Graduação em Geografia – Universidade Federal de Goiás/Jataí

Mestrando Programa de Pós-Graduação em Geografia – Universidade Federal de Goiás/Jataí

Francisco Arthur da Silva Vecchia, Professor Associado/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos,

Professor Associado/Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos,

Referências

ALVES, E. D. L. VECCHIA, F. Análise de diferentes métodos de interpolação para a precipitação pluvial no Estado de Goiás. Acta Sciencitarium. Maringá, v.33, n.2, p.193-197, 2011.

ANA – Agência Nacional de Águas. Informações Hidrométricas. Texto disponível em: <http://www.ana.gov.br/mapainicial/pgMapaL.asp>. Acesso em: 10 jun. 2015.

ANA – Agência Nacional de Águas. Evolução da Rede Hidrometeorológica na Região Hidrográfica do Tocantins Araguaia, São Francisco e Paraná. Texto disponível em: <http://arquivos.ana.gov.br/infohidrologicas/rhtocantinsaraguaia.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2013.

BOIN, M. N. Chuvas e Erosões no Oeste Paulista: uma análise climatológica aplicada. Rio Claro. Tese (Doutorado). Geociências - Unesp. 2000.

CAVALCANTI, I. A. Um estudo sobre as interações entre os sistemas de circulação de escala sinótica e circulações locais. INPE 2494 TDL/097. 1982.

CAVALCANTI, I. M. et al (Org.). Um olhar territorial para o desenvolvimento: Centro-Oeste. Biblioteca Digital - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Rio de Janeiro-RJ, 512p. 2014.

COSTA, H. C. et al. Espacialização e sazonalidade da precipitação pluviométrica do estado de Goiás e Distrito Federal. Revista Brasileira de Geografia Física. v.1, p.87-100, 2012.

CPTEC/INPE – Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. 2015. Disponível em: <http://sinda.crn2.inpe.br/PCD>. Acesso em: jun 2015.

CONTI, J. B. (1975). A circulação Secundária e o Efeito Orográfico na Gênese das Chuvas: o exemplo do ENE Paulista: USP/Inst. de Geografia, série teses e monografias, nº 18, 82 p.

INMET – Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. 2015. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep>. Aceso em: jun-dez 2015.

MESQUITA, W. O. el al. Precipitações máximas diárias esperadas para as regiões central e sudoeste de Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical. v.39, n.2, p.73-81, 2009.

MONTEIRO, C. A. F. (1951). Notas para o estudo do clima do Centro Oeste Brasileiro. In: Rev. Brasileira de Geografia, n. 01. Rio de Janeiro, janeiro março.

__________. (1962). Da necessidade de um caráter genético à classificação climática (algumas considerações metodológicas a propósito do estudo do Brasil Meridional). Revista Geográfica, Rio de Janeiro, v. 31, n. 57, p. 29-44.

__________. (1963). Sobre a análise geográfica de sequências de cartas de tempo: pequeno ensaio metodológico sobre o estudo do clima no escopo da Geografia. Revista Geográfica, Rio de Janeiro, v. 31, n. 58, p. 169-179.

__________. Sobre Um Índice de Participação das Massas de Ar e suas Possibilidades de Aplicação à Classificação Climática. Revista Geográfica 61, Instituto Panamericano de Geografia e História, Rio de Janeiro, 1964.

__________. Análise Rítmica em Climatologia – problemas da atualidade climática em São Paulo e achegas para um programa de trabalho. Climatologia 1, USP/IG, São Paulo, 1971.

__________. C. A. F. A Dinâmica Climática e as Chuvas no Estado de São Paulo. Rio Claro: UNESP, Ageteo, 2000. 1 CD-ROM.

NASCIMENTO, D. T. F.; NETO, J. M. S.; NUNES, L. C. Definição dos anos-padrão para o estudo da pluviometria do Estado de Goiás e do Distrito Federal. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, Ituiutaba, v. 6, n. 1, p. 272-290, jan./jun. 2015.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. 421p.

PENEREIRO, J. C. et al. Identificação de tendências sazonais dos regimes climático e hidrológico na bacia hidrográfica dos rios Tocantins e Araguaia, Brasil. Revista Geografia Acadêmica. v.9, n.1, 2015.

QUADRO, M.F.L.; Abreu, M.L.Estudos de episódios de Zonas de Convergência do Atlântico Sul sobre a América do Sul. Anais II.Congresso Brasileiro de Meteorologia, 8:620­623. Belo Horizonte­MG. 1994.

ROSSATO, M. S. Os Climas do Rio Grande do Sul: variabilidade, tendências e tipologia. 2011. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Porto Alegre, RS 2011.

SANTOS, M. J. Z. Tendências das Chuvas no Nordeste Paulista e Problemas Ligadas com as Pesquisas em Climatologia Agrícola. In Boletim de Geografia Teorética. Rio Claro, vol. 23, nº 45 - 46 (volume especial) pp. 39 – 48, 1993.

SALAMI, L. N. B. PERES. (1996). Estudo das Influências Climáticas e Antropogênicas nas Características físico-químicas no Rio Monjolinho. São Carlos. Dissertação (Mestrado). EESC/USP, 135 p.

SORRE, M. Les Fondements de la Géografhie Humaine. Tome: I- Les fondements biologiques. Essai d’une écologie de l’homme. Livre I- Le climat et l’home. Chp ler Le Climat. Paris, Librairie Armand Colin, 1951. p.13 – 43.

STRAHLER, A. H. Phisical geographY. New York: John Wiley & Sons. 1951.

______________. Geografía Física. Barcelona: Ediciones Omega S. A., 1984. 767p.

STEINKE, E. T. Considerações sobre variabilidade e mudança climática no Distrito Federal, suas repercussões nos recursos hídricos e informação ao grande público. Tese (Doutorado em Ecologia), publicação ECO.TD, Departamento de Ecologia, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 196p. 2004.

VIRGI, H., A preliminary study of summertime tropospheric circulation patterns overSouth America estimated from cloud wins. Mon. Weather Rev., 109, 549­610. 1981.

ZAVATTINI, J. A. A Dinâmica Atmosférica e a Distribuição das Chuvas no Mato Grosso do Sul. 1990. (Doutorado em Geografia), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades