Relações entre humanos e mais–que–humanos nas redes da conservação e da produção de ciência sobre espécies animais pouco emblemáticas no Esp. Santo

  • Mariana Pimenta de Alvarenga Prates

Resumo

O trabalho liga-se a uma pesquisa etnográfica sobre as atuações do Pró-Tapir, programa de monitoramento e conservação das antas e outros ungulados da Mata Atlântica capixaba. Acompanhei as pesquisas de campo realizadas pelas pesquisadoras, e o mateiro que as acompanha, no Complexo Florestal Linhares-Sooretama, no Espírito Santo. O complexo representa a maior área contigua do bioma Mata Atlântica no estado e uma das maiores do país. A pesquisa busca integrar a temática ambiental à perspectiva da Antropologia da Ciência e da Tecnologia, com a proposta de acompanhar as pesquisadoras também enquanto agentes conservacionistas
e popularizadoras de espécies pouco emblemáticas através da produção tecnocientífica, da ação direta com os animais e da difusão lúdica e científica dessas espécies nas redes sociais e nas comunidades do entorno das áreas protegidas do complexo florestal. Para tanto, o trabalho contou com os métodos de observação participante e pesquisa bibliográfica e documental. Em suma, pretendo pensar sobre as relações entre humanos e mais-quehumanos dentro do biologia da conservação e da produção tecnocientífica, sobretudo, no Antropoceno.

Publicado
2019-07-17
Seção
ST 05 - Escrita antropológica e contradisciplinaridade: encontros possíveis entre linguagens, grafias e (cosmo)políticas