Os Extratos Fluídos e a profissão farmacêutica em São Paulo (1895 - 1917)

  • Isabella Bonaventura de Oliveira

Resumo

Este trabalho analisará como os debates sobre “extratos fluídos” nos permitem compreender o processo de institucionalização da farmácia em São Paulo entre 1895 e 1917. Nesse momento, os farmacêuticos paulistas fundaram associações, revistas e instituições de ensino, ampliando sua rede de aliados e compondo uma identidade profissional específica. Juntamente a esta busca por alianças, percebemos um movimento de demarcação de fronteiras e definição de quem estaria autorizado a exercer esse ofício. A fim de analisarmos tal processo, atentaremos às discussões que os farmacêuticos paulistas empreenderam sobre os “extratos fluídos”, preparados presentes na farmacopeia estadunidense e que alguns membros da Sociedade Farmacêutica pretendiam inserir na terapêutica nacional. Veremos como a circulação desse novo agente
promoveu debates sobre hierarquia profissional, dependência entre farmacêuticos e droguistas,
assim como, questionamentos sobre como a prática farmacêutica se estruturaria.

Publicado
2019-07-17
Seção
ST 05 - Escrita antropológica e contradisciplinaridade: encontros possíveis entre linguagens, grafias e (cosmo)políticas